sp.abra

.

São Paulo, 24 de fevereiro. A Abrasel SP compartilha das preocupações do governo estadual e da população quanto a resistência e até incremento da pandemia, e apoia a ênfase em procurar evitar aglomerações e festas clandestinas, algo que a entidade vinha denunciando.

.

No entanto, a Abrasel SP não concorda com as restrições a restaurantes e bares, pois como temos argumentado, e o governador reconhece, a maioria dos estabelecimentos tem obedecido todas as regras: medição da temperatura, redução na ocupação de assentos, distanciamento entre mesas, higienização constante de mesas e equipamentos e garçons paramentados, que contribui para evitar a contaminação.

.

Entendemos que se a população não tem a opção de frequentar os restaurantes, irá almoçar em locais impróprios, como no fundo de lojas, aglomerada como também os demais trabalhadores, sem cuidado ou distanciamento. Com os bares fechados às 20 horas, evidente que os jovens vão procurar outros espaços e isso multiplica as aglomerações e festas clandestinas.

.

Dessa forma, estamos insistindo junto ao governo que permita ocupação de 60% dos assentos e o uso de mesas nas calçadas, enquanto a pandemia continua com esse nível de gravidade. Mantida as restrições atuais, a tragédia continua, e bares e restaurantes são exterminados todos os dias.

.

Temos que salvar os empregos e os estabelecimentos, muitos verdadeiros repositórios da cultura e história das cidades. Importante preservar a gastronomia e o trabalho árduo dos chefs paulistas.

.

A esta altura o estrago é tanto, que julgamos necessário pelo menos uma década para recuperar o nível que a gastronomia tinha atingido na cidade de São Paulo. E outra década precisaremos para reerguer os bares, a vida noturna, que era, ao lado da gastronomia, uma de nossas maiores atrações turísticas.

.

O setor precisa trabalhar e a Abrasel SP propõe somar forças ao governo do estado na luta contra a pandemia, quer fazer parte da solução. Não podemos continuar regredindo inutilmente.

.

Dados

O setor continua perdendo, por dia, no Estado, cerca de 300 estabelecimentos, 1.800 empregos, 600 pequenos empresários, uma contribuição de R$ 45 milhões ao PIB e respectivos tributos, R$ 45 milhões de potencial de consumo, e de massa salarial. Na cidade de São Paulo já fecharam 12 mil estabelecimento em definitivo, e no Estado cerca de 50 mil.

Bares/restaurantes em funcionamento na capital: 55mil, no estado: 250 mil.

.

Percival Maricato - presidente do conselho estadual Abrasel São Paulo

.

Mais informações:

Comentários