sp.abra

Abrasel vê alta na inadimplência. Sebrae monitora pagamentos e pode discutir assunto com o governo

Foto: pressfoto / freepik

Criado na pandemia para socorrer os pequenos negócios, o Pronampe foi lançado com os menores juros do mercado. Porém, o custo do financiamento disparou com a alta da Selic , a taxa básica de juros.

O Pronampe começou cobrando uma taxa do Selic + 1,25% ao ano em 2020, mas o custo subiu para Selic + 6% ao ano em 2021 e a Selic saiu de 2,25% para 7,75% desde o lançamento do programa. Por isso, quem pegou o crédito em 2020 pensando que iria pagar os juros de 3,5% ao ano já está pagando os juros de 9% e deve continuar vendo a taxa subir, pois a Selic ainda deve aumentar .

O mercado financeiro estima que a Selic suba mais 1,5 ponto percentual na próxima semana, fechando o ano em 9,25%. Em 2022, a taxa básica de juros deve chegar a 11,25%, segundo as projeções do Boletim Focus .

“O custo do dinheiro está 3 vezes maior. Quem pegou R $ 100.000 emprestado, achava que pagaria R $ 3.500 de juros por ano, mas essa cifra foi para R $ 9.000 por ano e vai continuar subindo. É difícil para as empresas que ainda estão com as contas apertadas ” , afirmou o presidente da Abrasel , Paulo Solmucci.

Com a alta dos juros, a Abrasel prevê um aumento da inadimplência no Pronampe. Pesquisa realizada pela associação indica que 73% dos descobertos e restaurantes tomaram crédito na pandemia, sendo que 59% foram atendidos pelo Pronampe. Agora, 22% estão com parcelas em atraso. A inadimplência do Pronampe está em 4,7%, acima da média do mercado (2,2%).

O Sebrae também está monitorando os pagamentos. “Estamos fazendo um levantamento porque temos mais ou menos 600 mil contratos nas mãos do Pronampe” , disse o presidente do Sebrae, Carlos Melles.

Melles falou que os pequenos negócios estão “incomodados e desconfortáveis” com a alta dos juros, apesar de entenderem que o aumento da Selic é necessário para conter a alta da informação. Ele indicou ainda que pode procurar o ministro da Economia, Paulo Guedes, caso perceba que haverá problemas nos pagamentos do Pronampe. Melles disse que Guedes foi uma pessoa sensata em todas as vezes que o Sebrae apresentou dados consistentes.

Na avaliação dos empresários, a ampliação dos prazos de pagamento poderia ser uma alternativa à alta das taxas do Pronampe. A Caixa Econômica Federal , por exemplo, já oferta aos clientes a possibilidade de prorrogação de até 12 parcelas vencidas ou vincendas do programa.

Em nota, o Ministério da Economia afirmou que “qualquer revisão / alteração das regras do programa a partir do Congresso” , já que o programa foi uma iniciativa do Congresso.

Em caso de inadimplência, boa parte dos atrasos do Pronampe será custeados pelo governo. O Tesouro alocou R $ 37,3 bilhões em garantia no Pronampe em 2020 e R $ 5 bilhões em 2021. Os recursos cobrem até 85% dos empréstimos contratados em 2020 e 20% dos financiamentos de 2021. O restante é de responsabilidade das instituições financeiras que concederam os empréstimos.

Se não for necessário no Pronampe, os recursos alocados pelo governo no FGO (Fundo de Garantia de Operações) podem ser usados ​​para outros fins mais à frente. Já se falou, por exemplo, em usar o FGO para ajudar a combater o superendividamento no Brasil.

Apesar do aumento dos juros, o custo do Pronampe ainda é inferior à média do mercado. Segundo o BC (Banco Central), as empresas pagaram uma taxa média de 20,3% ao ano para obter capital de giro nos bancos em outubro. O Sebrae diz que uma taxa se aproxima dos 30% no caso das micro e pequenas empresas.

Em nota, o Itaú afirmou que “as linhas de crédito disponíveis via Pronampe continuam sendo bastantes vantajosas” . O Banco do Brasil disse que as taxas de juros cobradas às empresas “variam de acordo com diversos fatores, como risco e valor assumido, garantias oferecidas, prazo da operação, entre outros” .

Fonte: Poder360

Comentários