18/12/12 - Sorveterias aproveitam calor para vender mais

 

Consumo cresce até 30% nesta época

Se no inverno as sorveterias têm retração de até 70% se comparado aos outros meses do ano, o verão é um bom período para esses estabelecimentos. Embora a estação mais quente do ano só comece oficialmente na próxima sexta-feira, na capital mineira os termômetros já registram temperaturas acima dos 30 graus.

E as sorveterias de Belo Horizonte aproveitam o calor para impulsionar as vendas de seus produtos. Alguns estabelecimentos estão bastante animados e preveem aumento de até 90% nas vendas deste verão com relação ao verão passado. Contudo, esse otimismo todo pode esbarrar no período chuvoso que, para alguns empresários do setor, pode comprometer o consumo de sorvetes - mais até até do que o frio -, pois as pessoas evitam sair de casa em dias de chuva. Para conquistar o consumidor, as sorveterias se desdobram e inovam o cardápio.

Proprietária da sorveteria Alessa, no bairro de Lourdes na região Centro-Sul de Belo Horizonte, Andrea Manetta afirma que a cada verão os negócios são melhores. Ela afirma que, neste período de calor intenso, a sorveteria registra aumento nas vendas de até 30% se comparado aos meses de inverno. "A Alessa tem crescimento de 10% a 15% no verão de cada ano se comparado ao período anterior, todos os anos o índice de crescimento se mantém", ressalta.

Andrea Manetta garante que, antigamente, a diferença de vendas entre o inverno e o verão era mais gritante mas, atualmente, já não é tão evidente. "Hoje em dia as pessoas já aprenderam que tomar sorvete não é apenas um programa de domingo, elas já adquiriram o hábito de consumir a iguaria", descreve.

Porém, a época tida como a ideal para as sorveterias vem acompanhada de fortes chuvas, o que afasta os consumidores das sorveterias. "O que tira o movimento da sorveteria não é o frio, são as chuvas, mesmo se estiver calor", reforça Andrea Manetta. Contudo, esse fator não chega a chega a comprometer efetivamente o consumo. "Ainda com fluxo de pessoas menor com as chuvas, a sorveteria não chega a ter queda nas vendas neste período", esclarece a proprietária.

 

Andrea Manetta assegura que neste ano as vendas estão dentro do esperado e devem manter a média de incremento entre 10% e 15% no período com relação ao ano passado. "Em janeiro espero que o mercado se comporte da mesma maneira", argumenta. No verão, Andrea Manetta investe em diferentes tipos de sorvete para conquistar o público. "Com as altas temperaturas, tiro do cardápio os sorvetes com bases mais quentes e aumento a oferta de sorvetes com base de água e frutas", considera.

A proprietária revela um sucesso deste verão na sorveteria. "Neste ano, fizemos um sorvete de chocolate à base de água", revela. "O chocolate usado neste sorvete é um chocolate azteca, mais amargo e menos calórico do que o tradicional", esclarece. Por ser menos calórico, o sorvete de chocolate à base de água transmite menos calor e dá maior sensação de refresco. "Este sorvete está sendo um sucesso de vendas neste verão, que já promete temperaturas muito elevadas." Andrea Manetta destaca outro produto com destaque de vendas neste período: "nesta época, vendemos muita tortas de sorvete para as festas de Natal e de fim de ano", finaliza.

Temporada - Para a diretora-executiva da sorveteria Salada, que tem lojas espalhadas por toda Capital, o ano do sorvete começa em setembro. "De setembro a março é o chamado ano do sorvete, que é quando o produto tem maior saída", explica. "A partir do mês de março, já começa a esfriar e a temporada do sorvete termina", informa.

Raquel Bravo está otimista com as venda neste verão. Ela espera um incremento de 70% em dezembro ante o mesmo mês no ano passado e 20% ante o mesmo mês em 2010. "Ano passado foi atípico, tivemos um final de ano muito chuvoso e as vendas não foram tão bem", avalia.

Ela concorda que a chuva é a grande vilã das sorveterias. "As chuvas de verão, que são passageiras, não chegam a afetar o consumo de maneira significativa, mas se forem aquelas mais persistentes, as vendas caem mesmo", observa. "Acredito que a temperatura não influencia tanto, o que faz diferença é a chuva", diz. A sorveteria Salada também tem lançamentos previstos para o verão. "Vamos fazer um frozen yogurt com teor de gordura zero, e um creme de açaí. Ainda fabricaremos um sorvete de uma linha mais popular, com menores preços", revela. "Esses lançamentos já estão no freezer e vão para as nossas lojas no início do ano que vem", garante.

O gerente da tradicional sorveteria São Domingos, na Savassi, região Centro-Sul da Capital, Fernando Oliveira, também está otimista neste verão. "Como o clima já está bem quente, anunciando um verão de temperaturas elevadas, esperamos aumento nas vendas de até 90% se comparado ao verão passado", prevê. Diferentemente de seus colegas, Oliveira não vê o período chuvoso como um grande vilão. Para ele, a chuva afasta, sim, os consumidores, mas não chega a comprometer as vendas. "As chuvas atrapalham, mas não chegam a ser prejudiciais", afirma.

Oliveira afirma aumentar a produção nos meses de verão. "Nos meses de verão, a produção chega a ser 100% superior aos outros meses do ano", confirma. A São Domingos também inova o cardápio de sorvetes nesta estação do ano. "Neste ano, criamos um sorvete com chocolate africano e um sorvete Mooca, de chocolate com grãos de café. Serão essas as novidades da Sorveteria São Domingos para este verão", conclui.

Fonte: Diário do Comércio - MG