10/12/12 - Bares elevam preço dos cardápios em até 10% no final do ano

 

Donos de estabelecimentos alegam que os reajustes se deram em função da alta dos preços dos insumos e da reposição salarial dos funcionários e não por causa do 13º salário

Nos últimos dois meses, o preço de pratos e bebidas ficou 10% mais caro nos bares e restaurantes de Manaus. O que para os consumidores é sinal de reajuste visando o décimo terceiro, para os estabelecimentos é resultado do encarecimento de insumos básicos. A Associação Brasileira de Bares e Restaurantes no Amazonas (Abrasel/AM) confirma o percentual de reajuste, mas descarta que seja em função do pagamento do décimo.

O trigo é um dos produtos que tem tirado o sono dos empresários do ramo alimentício. O quilo do produto passou de R$ 2,15 até R$ 2,45 na passagem de outubro para novembro, disse o proprietário da Coliseu Pizzaria, Mauro Kariya. Ele confirmou um reajuste médio de R$ 2 no valor das pizzas.

“Fizemos reajuste de 10% a 15% no início do mês, em função do aumento de todos os ingredientes que também foram reajustados. Nossa matéria-prima tem aumentado muito nos últimos seis meses”, afirmou. O empresário disse, ainda, que os ‘frios’ também estão caros. O queijo muçarela passou de R$ 12,45, o quilo, para R$ 13,50 e nos supermercados o preço chega a R$ 24, o quilo.

Os restaurantes defendem que o regulador de preços do setor seja o próprio mercado e que os preços têm se ampliado de forma que não há como não repassar uma parte para o consumidor.

O gerente-geral do Picanha Mania, Ivan Souza, disse que o aumento da carne puxou um leve reajuste nos pratos da casa desde o início de novembro. O gerente negou que o estabelecimento reajustará os preços por conta do pagamento do décimo terceiro. “A gente nunca fez, sempre aumentou por conta do aumento da mercadoria. O nosso regulador é o preço de mercado”, explicou Souza.

A presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes seccional do Amazonas (Abrasel/AM), Janete Fernandes, também negou reajuste atrelado ao décimo.

“Não é por conta do décimo terceiro que houve esse aumento de 10%, é resultado do dissídio da categoria, que aconteceu em julho, e que os restaurantes seguraram até onde puderam, e dos produtos que aumentaram”, afirmou.

Fernandes destacou que carne, frango e peixe foram produtos que ficaram mais caros. A empresária disse, ainda, que haverá outro aumento no salário dos funcionários, por conta do reajuste do salário mínimo e que isso também deve influenciar no preço dos pratos e bebidas já no começo de 2013.

No bolso

 

A funcionária pública Thais Alvarez costuma frequentar bares e restaurantes e percebeu um aumento rápido nos preços ainda no final de outubro. “Foi de uns dois meses pra cá. O preço da bebida subiu bastante e as iscas também. Não sei se por conta do final de ano, mas por exemplo uma cerveja grande custava R$ 5,50 e agora está R$7”, disse. Segundo ela, a maioria dos bares que frequenta registrou um pequeno acréscimo em seu cardápio.

O proprietário de um restaurante especializado em comidas regionais revelou ao PortalD24AM que precisou confeccionar um novo cardápio por causa do reajuste dos preços. “Tudo ficou mais caro. Camarão, bacalhau, farinha, entre outros. Não deu para segurar e tive que dar um aumento médio de R$3 nos pratos”, disse.

Fonte: D24am