19/10/12 - Inflação da cerveja é 17 vezes maior que a oficial

 

Enquanto custo de vida oficial subiu 0,62% em BH entre junho e setembro, preço de tira-gostos avançou mais de 12%. Praticamente no mesmo período, bebidas aumentaram 10,6%

O setor de bares e restaurantes, um dos principais motores da economia de Belo Horizonte, a ponto de levar a cidade a ser conhecida como a capital dos botecos, tem o dragão – símbolo da inflação – como cliente assíduo. A pedido do Estado de Minas, levantamento feito pelo site Mercado Mineiro revelou que o preço médio de 15 das 16 porções e bebidas pesquisadas em 21 estabelecimentos subiu bem mais do que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em BH. O indicador, medido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), é considerado a inflação oficial do país.

Enquanto o IPCA de Belo Horizonte fechou o acumulado de junho a setembro com alta de 0,62%, o preço médio das cervejas Brahma e Skol saltou 10,6% no intervalo de junho a 11 de outubro, de R$ 5,47 para R$ 6,05. O percentual assusta os frequentadores de bares e restaurantes, mas não é o campeão do ranking. A liderança, com disparada de 12,16%, coube à porção de mandioca frita, que subiu de R$ 12,33 para R$ 13,83 no mesmo período (veja quadro).

 

Outro tira-gosto famoso, a batatinha frita, apurou alta de 3,13% entre junho e 11 de outubro. O preço médio das fritas, como muitos clientes se referem à porção, passou de R$ 13,41 para R$ 13,83. O percentual de aumento pode até não assustar boa parte dos consumidores, mas o preço deixa muita gente de cabelo em pé quando comparado com o quilo do produto vendido nos sacolões e supermercados da capital. Segundo a última pesquisa da Secretaria Municipal Adjunta de Segurança Alimentar e Nutricional (SMASAN), divulgada no dia 10, o quilo da batata- inglesa custa R$ 2,31.

Portanto, numa conta rápida, observe que os bares e restaurantes de BH cobram, em média, quase seis vezes mais. É importante ressaltar, contudo, que o preço dos estabelecimentos leva em conta gastos com aluguel de imóvel, impostos, funcionários, gás, energia elétrica e outras despesas. Por outro lado, o estudo reforça a importância de o belo-horizontino pesquisar bem os preços. Por isso, o Mercado Mineiro também elaborou uma tabela entre o maior e o menor preço de cada produto.

Nesse caso, o valor da cerveja oscila de R$ 5 a R$ 6,70 – diferença de 34%. A mais barata é encontrada no Bar da Cida, que venceu o concurso Comida di Buteco, em 2008, com a porção rola-bola (almôndega ao molho da casa, batata gratinada e outros ingredientes). A dona do estabelecimento, Maria Aparecida da Silva Chagas, conta que a margem de lucro com as cervejas é baixíssima. O preço da bebida, na prática, é uma das estratégias para a comerciante manter a casa, que funciona há 24 anos no Bairro Floramar, na Região Norte, sempre cheia.

 

De olho nos custos

O rola-bola, por exemplo, sai a R$ 26. Os clientes, como a operadora de microcomputador Sandra Rejane da Anunciação, de 31 anos, e o marido, o encarregado de transportes Warllem Aquiles Lajes, de 36, consideram o preço justo. “É uma delícia!”, garante ela com o respaldo do marido e da filha, Ana Clara, de 6. O comerciante Rildo Moreira, de 44, também endossa o sabor do prato. E comemora o preço da cerveja: “Moro aqui perto e, como sou seguidor da Lei Seca, residir próximo ao bar com o melhor preço da cerveja é um presente”.

“Além de procurar um lugar agradável, é bom o morador ficar de olho no preço dos petiscos e no das bebidas”, recomendou Feliciano Abreu, diretor executivo do Mercado Mineiro.

 

Porções variam até 157%

A diferença entre os menores e os maiores preços das carnes servidas nos bares e restaurantes de Belo Horizonte atinge a casa dos três dígitos. A porção de 500 gramas da picanha bovina, por exemplo, pode ser encontrada de R$ 34 a R$ 81,50 – diferença de 139,71%. No caso do contrafilé, a oscilação é de 133,20%, com valores de R$ 25,30 a R$ 59. A disparidade da porção da batata frita também atingiu três dígitos (157,65%), de R$ 8,50 a R$ 21,50. No caso da porção de mandioca frita, a diferença foi de quase 150%, de R$ 8 a R$ 19,90.

Vale ressaltar que a carne vem acumulando altas seguidas em razão do custo com alimentação e outros gastos. Em setembro, por exemplo, o produto foi o item que mais influenciou a inflação nacional. Conforme relatório do IBGE, “os preços subiram 2,27%, gerando impacto de 0,06 ponto percentual no IPCA, individualmente, o maior”.

Os menores preços das porções de picanha e contrafilé são ofertados na unidade do Paracone da Avenida Brasil, onde os sócios Lindoval Conegundes e Eduardo de Souza, quando podem, não dispensam um chope e uma porção. “Um dos segredos (para ter preço competitivo) é não ficar refém de um único fornecedor”, explicou Lindoval.

 

Regras curiosas

Já Eduardo esclarece ainda que, dependendo do fornecedor e do produto, há regras curiosas: “Uma fabricante de refrigerantes vende uma marca por um preço para esta unidade. Em nossa outra loja, no Santa Efigênia, a mesma empresa vende igual refrigerante por um preço mais baixo, o que explica a diferença de valores (entre os dois restaurantes no caso do refrigerante)”, contou Eduardo.

É bom lembrar, porém, que vários custos ajudam a entender a diferença no preço das porções. Empregados com melhor traquejo para atender clientes, banheiros impecáveis, preço do aluguel e som ao vivo são apenas alguns exemplos. (PHL)

 

Fonte: Estado de Minas