18/10/12 - Governo deseja acelerar regulação do setor de cartões de crédito

 

O governo está convencido de que precisa acelerar o projeto para mudanças mais profundas no mercado de cartões de crédito, sobretudo para estimular uma queda mais forte das taxas de juros, que ainda chegam a 600% ao ano. Em recente reunião entre técnicos do Ministério da Justiça e do Banco Central, o setor de dinheiro de plástico, que deve movimentar R$ 813 bilhões neste ano, foi tema dominante.

 

A determinação da presidente Dilma Rousseff é de que a equipe econômica imponha regras claras para que os bancos e as administradoras de cartões deem mais transparência às taxas cobradas dos consumidores e aos encargos embutidos nas faturas. Na avaliação do Palácio do Planalto, ainda que o BC já tenha avançado muito ao conter os abusos do setor, há muita nebulosidade na relação entre as instituições financeiras e a clientela.

A ordem de Dilma para enquadrar os bancos e as administradores se reforçou nesta semana, diante da pesquisa divulgada pela Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs). O levantamento mostra que 75% da população brasileira têm algum tipo de cartões (débito, crédito ou de lojas). Trata-se de um expressivo processo de substituição do dinheiro como meio de pagamento no país. O uso de cédulas, por sua vez, caiu de 58%, em 2011, para 52% neste ano.

 

Fonte: Correio Braziliense