31/01/12 - Setor de cozinha industrial deve crescer acima de 15% em 2012


O brasileiro come cada vez mais fora de casa. Com o avanço do trabalho feminino, o aumento da distância entre casa e local de trabalho e o crescimento do turismo interno, comer fora já representava, em 2009, 31% das despesas da família com alimentação, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A expectativa é que, em 2014, os estabelecimentos de food service respondam por 38% dos gastos com alimentos. Neste cenário, e com os preparativos para Copa e Olimpíada, aumentam as vendas de equipamentos para cozinhas industriais. Grandes fabricantes, como Prática, Cozil e Elvi, estimam crescimento entre 16% e 30% para 2012.

Cálculo prévio da ECD Consultoria em Food Service, a partir de dados da Associação Brasileira das Indústrias de Alimentação (Abia), aponta que o setor faturou R$ 215 bilhões em 2011, alta de 17,8% sobre o ano anterior, com 60 milhões de transações diárias. A expectativa para 2014 é chegar a 70 milhões de transações ao dia, com receita de R$ 270 bilhões.

 

 

Segundo o diretor da consultoria, Enzo Donna, uma das principais tendências hoje no mundo da alimentação é a conveniência: produzir mais, em menos tempo, com o menor custo de mão de obra e alta qualidade. "É neste ponto que a indústria de equipamento se encontra com o mercado de food service. Hoje esta indústria procura oferecer equipamentos que gastem pouca energia, sejam altamente produtivos e preservem sabores e atributos das matérias primas", afirma.

Segundo ele, em um restaurante padrão, o aporte médio em equipamentos varia entre 35% e 55% do investimento, dependendo dos gastos com serviços de alvenaria. Assim, estima-se que o mercado de equipamentos para panificação, incluindo refrigeração, gire em torno de R$ 1 bilhão ao ano.

Em restaurantes, hotéis e lanchonetes, os equipamentos de produção, aí não incluída refrigeração, movimentam em torno de R$ 800 milhões anualmente. "O mercado de equipamentos deverá crescer acima dos 15%, acompanhando os investimentos que serão feitos no setor", projeta o consultor.

Fonte: DCI