13/08/12 - 4 lições da rede Rubaiyat para os novos empreendedores

 

"Não se iluda com a poética do negócio. Ele é charmoso e glamuroso, mas exige muito esforço", afirma Belarmino Fernandez Iglesias Filho, sócio do grupo

Belarmino Fernandez Iglesias Filho ainda não tinha nascido quando seu pai, Belarmino Fernandez Iglesias, começou a empreender no Brasil. Imigrante espanhol no Brasil da década de 50, Belarmino pai, como é chamado, foi garçom antes de entrar na sociedade do Rubaiyat, uma churrascaria que virou referência de carnes nobres no país. Hoje, a rede Rubaiyat tem três restaurantes em São Paulo, um em Madri e é sócia de uma casa em Buenos Aires.

 

Na semana passada, a empresa deu um grande passo para acelerar seu crescimento e oficializou a venda de 70% da rede para o fundo de investimentos Mercapital. “Com os papéis bem definidos, eu vou poder ter um crescimento, tornar muitos dos nossos talentos em sócios e profissionalizar definitivamente a companhia”, explica Belarmino Filho, primogênito da família e no comando do grupo desde 2000.

Nesta nova etapa, a família Iglesias foca na operação dos restaurantes e prevê usar os 46 milhões de euros do aporte para abrir dez novas casas em quatro anos. Brasília, Rio de Janeiro e Cidade do México já estão nos planos. Em conversa com EXAME.com, Belarmino Filho falou sobre o que a história do grupo criado por seu pai tem a ensinar aos novos empreendedores.

 

1. Não tenha medo

Assumir riscos é essencial para quem quer crescer com um negócio, segundo Belarmino. “Para quem é empreendedor, é importante não ter medo, porque ao longo da vida, para você crescer e fazer negócios, você precisa em alguns momentos assumir riscos”, diz.

O empresário conta que o medo tomou conta na abertura de um dos restaurantes do grupo, o A Figueira Rubaiyat. “O Figueira surgiu sem nenhum business plan. Fui fazer um exame médico em janeiro de 2001, passei na frente do local e pensei em fazer um restaurante lá. Jamais planejamos. Depois quando alugamos e ficamos com o ponto, pensamos: 'O que vamos fazer ago'. Não é medo, é pânico que dá nessa hora”, revela.

 

2. Tenha foco

Para o empresário, quem está comandando uma empresa costuma ser tentado a diversificar suas atividades. “Não adianta querer crescer mais rápido do que o próprio mercado. Tem que ser super focado no que faz”, afirma.

Uma estratégia que ele mesmo usa para não correr o risco de se desviar é colocar-se no lugar do cliente. “O empreendedor à frente de um negócio tem que se por sempre do outro lado do balcão e pensar como pensa o cliente dele. Eu tenho isso como a maior missão e referência para o que fazemos”, conta.

 

3. Pense de forma estratégica

Decisões importantes, como a chegada de um novo sócio, exigem que o empreendedor pense de forma estratégica. “Eu acho que a entrada de um sócio financeiro é importante para acelerar um processo de crescimento. Essa musculatura que o sócio dá te permite crescer desde que você seja inteligente e não saia gastando em outros ativos. Esse dinheiro vai para o caixa para crescer. Tendo menos participação, eu vou ter muito mais em pouco tempo. É uma decisão estratégica”, diz.

Para ele, tomar decisões deste tipo depende de conhecer os preceitos de administração básica, rudimentar. “Ninguém tem que inventar a roda. O bom administrador tem que estar preocupado com o fluxo de caixa mesmo”, explica.

 

4. Não se iluda com o glamour do negócio

Para quem gosta da área de alimentação e pensa em abrir um restaurante, o empresário diz que é preciso estar bem preparado para o que acontece fora do salão. “Eu acho que esta é uma indústria muito fácil de entrar, que não requer grande capital, mas, sim, grande esforço. Não se iluda com a poética do negócio. Ele é charmoso e glamuroso, mas por trás tem uma logística incrível e uma responsabilidade com qualidade muito grande”, explica.

 

Fonte: Exame.com