Expectativa é que realização de eventos empresariais eleve em 30% o fluxo de clientes

Diante de uma debandada parcial dos consumidores em férias, os players do setor de bares e restaurantes apostam nas confraternizações de empresas para elevar até 30% o fluxo dos estabelecimentos no período de ócio e, dessa forma, garantir a fidelidade dos consumidores no longo prazo.

“Geralmente, nas cidades grandes as pessoas viajam muito nesse período de final de ano, principalmente depois de receber o décimo terceiro salário. Com isso, é muito importante que os bares e restaurantes ofereçam essas propostas de confraternização, que muitas também vezes fazem a receita do negócio dobrar neste período”, argumentou o presidente da Abrasel em São Paulo, Percival Maricato. 

Para o dirigente da entidade, a captação de clientes sempre foi um desafio para os empresários do setor, mas que estratégias como esta torna esse processo de fidelização mais assertivo. “É uma vantagem receber esses grupos, com a possibilidade de aumentar o tíquete médio e, com isso, obter maior margem de lucro”, concluiu. 

Na mesma linha de raciocínio, a proprietária do Drosophyla Bar, Lilian Varella, afirma que nessa época do ano as confraternizações de empresas costumam resultar em um bom desempenho do negócio, sobretudo no que diz respeito ao fluxo da clientela nos dias da semana.  “Costumamos trabalhar com um pacote fechado de final de ano, mas há possibilidade de personalizar itens como bebidas e comidas do cardápio. Imaginamos que, em relação ao ano passado, haja aumento de 20% no movimento”, afirmou a empresária. 

De acordo com ela, a ideia é manter a “essência” do estabelecimento e trabalhar apenas com produtos disponíveis no menu. Por esse motivo, Lilian conta que há um planejamento para abastecimento diário do bar. “Procuro evitar estoque de comida e bebida muito grande. Aumento o abastecimento conforme vou sentindo o movimento de clientes no negócio. Apesar disso, costumo pedir ao fornecedor mais bebidas alcoólicas, como por exemplo champanhe, nesse período”, disse Lilian, mencionando que muitas vezes o êxito da ação resulta na realização de outros eventos futuros, como por exemplo aniversários. 

Nesse sentido, a diretora-executiva da consultoria GS&Libbra, Cristina Souza, ressalta a importância do planejamento comercial para receber a demanda no período. “Vejo essa tendência se fortalecendo nos últimos anos. O desafio que se coloca é justamente a customização adequada do cardápio tradicional para fazer um atendimento eficiente com itens de preparo mais rápido”, declarou Cristina. 

A consultora alerta que uma divulgação prévia de ações como esta podem dar uma margem de tempo ao estabelecimento para se programar, inclusive no que diz respeito à reserva de espaços, horários e dias adequados. Segundo ela, iniciativas mal organizadas podem “incomodar” clientes terceiros e, por isso, fazer com que efeito seja inverso. 

Atento à essa possibilidade, o proprietário da restaurante Baiano de Dois, Zupa Silva Neto, afirma que procura realizar essas ações especialmente às terças-feiras, quando o movimento é considerado “fraco”. “Temos um salão para a realização desses eventos. Disponibilizamos um pacote fechado com petiscos e bebidas”, declarou Neto. Segundo ele, nesses casos, determinadas bebidas importadas, como vodcas, estão fora do acordo. 

O empresário conta que, para esse ano, espera um retorno de até 30% a mais do obtido no ano passado. “Percebemos que os consumidores que participaram da confraternização passaram a frequentar nosso negócio nos finais de semana com os familiares”, disse. 

Outro exemplo de negócio que vê nas confraternizações uma oportunidade de elevar o faturamento é a rede Água Doce Sabores do Brasil. “A partir de 15 de novembro já começamos a pensar no abastecimento de produtos como cervejas, chopp e proteína animal”, declarou o diretor de franquias da rede, Júlio Bertolucci. 

Ainda segundo o executivo, nessa época do ano, são realizados sorteios de prêmios, a fim de aproveitar o aumento de no fluxo de clientes e intensificar o processo de fidelização. “Prevemos um aumento de até 40% em relação ao mesmo período do ano passado. Por isso, começamos desde novembro uma orientação para que os franqueados se abasteçam com os fornecedores homologados”, disse, lembrando que a realização desse tipo de evento, especialmente nas cidades do interior do País, deve durar até janeiro.

Fonte: DCI