O restaurante Favorito Comida Típica recebe influência da cultura piauiense da decoração ao cardápio

alt

“A nossa comida é a do interior, é a galinha d’angola, a carne de sol de carneiro, em resumo: a comida do povo do Piauí”. É assim que o empresário Paulo Tajra descreve o cardápio do Favorito Comida Típica, um dos restaurantes mais tradicionais de Teresina. Quem por lá passa se delicia com pratos que enaltecem a culinária da região, sempre bem servidos dos acompanhamentos comuns à mesa do piauiense, como o baião-de-dois (à base de feijão verde e arroz), o arroz de Maria-Isabel (arroz misturado com carne seca cortada em pequenos cubos), a macaxeira frita e cozida e o tradicional pirão de leite.

Com capacidade de atender 130 pessoas por dia, o público se divide entre turistas e a população local, mas os pedidos pelos pratos que levam ingredientes do estado são unânimes. Entre eles estão a linguiça caseira, o sarapatel, a panelada, a língua ao molho madeira, e, para acompanhar, a tradicional cajuína, considerada patrimônio cultural do estado e símbolo cultural de Teresina, única das capitais nordestinas que não está no litoral. Por conta disso, a vida noturna tem auxiliado a economia, alavancando o turismo e propiciando a abertura de novos bares e restaurantes. “Isso aumenta a responsabilidade de sermos referência em qualidade na cidade. Se receber bem for uma missão, então acredito que estamos no rumo certo”, diz Tajra.

Tipicidade

Inaugurado em 2003, o restaurante tem como missão enaltecer a gastronomia do Piauí, estado, formada por raízes indígenas. A base da alimentação era milho, farinha de mandioca, palmito, macaxeira, abóbora, peixes, mel e pimenta-da-terra. Depois, com a chegada de portugueses e africanos, houve o interesse pela carne vermelha e frutos locais. Da miscelânea dos ingredientes, surgiu essa identidade local bastante rica, porém desconhecia em grande parte do Brasil. É o que Tajra chama de “tipicidade local”.

Segundo o empresário, essa influência se reflete não apenas nos pratos, mas também na decoração do Favorito. “Por onde ando sempre encontro uma peça que cabe na decoração, especialmente as que simbolizam o capote (galinha d’angola), nossa ave mais representativa”, diz. O restaurante também conta com uma parede de taipa (conhecida em algumas regiões do Brasil como ‘pau-a-pique’, sistema de construção que usa barro molhado para fechar paredes) comuns no interior do estado. Pratos da Boa Lembrança e peças artesanais também estão por todos os lados.

Boa Lembrança

Os pratos pendurados nas paredes, aliás, não são as únicas influências da Boa Lembrança. O Favorito faz parte da Associação dos Restaurantes da Boa Lembrança (ARBL) e em 2018 inclusive foi palco do XXIII Congresso da Boa Lembrança, que aconteceu entre os dias 20 e 24 de setembro em paralelo ao festival Maria Isabel, produzido pela Abrasel no Piauí.

A Associação foi criada em 1994 para representar um grupo de restaurantes que primam pela excelência e qualidade nos serviços, promovendo e divulgando a diversidade do setor por meio das peculiaridades regionais e do associativismo. “Primamos muito pela qualidade do que levamos à mesa, como também pela manutenção de uma estrutura agradável e confortável, com uma cozinha que utiliza produtos de boas procedências. A ARBL nos permite um policiamento, digamos assim, para a manutenção dessa qualidade, fazendo com que os associados estejam atentos ao mercado”, conta Tajra.

A ideia chegou ao Brasil com o italiano Dânio Braga, que resolveu estimular o hábito de se levar uma lembrança depois de uma boa refeição. Foi assim que surgiu o Prato da Boa Lembrança, uma peça exclusiva em cerâmica que o cliente pode levar para casa depois de comer em um dos restaurantes associados.

Já foram fabricados mais de um milhão e duzentos mil pratos da associação, o principal produto da entidade, cuja existência cumpre uma missão: por meio de sua representação figurativa deixar na memória do consumidor uma experiência gastronômica única. Em 2018, o porco a cavalo é o prato escolhido pelo Favorito para participar da Boa Lembrança. Trata-se de filé-mignon de porco caipira grelhado na manteiga da terra com ovos caipira, feijão de caboclo, linguiça caseira, barriga de porco, banana da terra e arroz branco.

“Como membro da Boa Lembrança, me sinto integrado às tendências gastronômicas que vêm ocorrendo não apenas a nível nacional, mas também em mercados externos. Neste ano de 2018, por exemplo, o XXIII Congresso Nacional da Associação dos Restaurantes da Boa Lembrança aconteceu em Teresina e trouxe pelo menos 50 chefs proprietários de grandes restaurantes brasileiros, possibilitando, assim, uma união e troca de experiências entre os chefs nacionais e os locais, empreendedores e produtores gastronômicos”, resumiu.

O mais original prato típico piauiense

Segundo Tajra, há uma falsa percepção sobre o Piauí pelo Brasil afora. “Por desconhecimento, a maioria das pessoas tendem a imaginar o Nordeste como um bloco homogêneo. Fato é que há muitos nordestes, com seus sotaques, danças, artesanatos e cozinhas”. No Piauí existe um traço gastronômico incomum: o capote. Trata-se de uma ave, também conhecida como galinha d'angola ou guiné, como se diz no Maranhão.

No estado, como em nenhum outro canto do Brasil, aprecia-se essa ave de origem africana, que em Angola, seu habitat, é chamada de galinha do mato. “Portanto, lá como cá, o capote não foi totalmente domesticado. Seguramente está nessa característica selvagem seu sabor especial”.

Basicamente, come-se capote ao molho (pardo, leite de coco ou molho comum, com urucum), frito e misturado com arroz. Em qualquer uma das versões, uma festa para papilas gustativas, que se aguçam ainda mais com o toque da pimenta de cheiro que acompanha ou com o pegado, que consiste no arroz queimadinho do fundo da panela em que se prepara o capote.

O empresário adianta que a responsabilidade da casa continua sendo em oferecer a Teresina uma referência em qualidade no atendimento e no sabor. “Sempre inovando com novas alternativas de servir bem e novos pratos. Menos o capote, esse já é fixo no cardápio”, brinca.

Serviço:
Favorito Comida Típica
Endereço: Rua Angélica, 1059 - Bairro de Fátima, Teresina/PI

 

Fonte: Revista Bares & Restaurantes, edição 123. .

Para assinar a revista, clique aqui