Representantes do setor produtivo falaram ao governador sobre os principais gargalos que dificultam a abertura de empresas e expansão dos negócios


alt

Presidente da Abrasel no Amazonas, Zeina Russo; o governador eleito, Wilson Lima; e os empresários Fábio Cunha e Rogério Perdiz, conselheiros da Abrasel no Estado. Foto: Divulgação


O governador eleito do Amazonas, Wilson Lima, e o vice governador, Carlos Almeida, se reuniram, na tarde desta segunda-feira (19), com 15 representantes do segmento do comércio do Estado, na sala do Conselho de Recursos Fiscais da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz-AM). O encontro serviu para balizar as atividades da Comissão de Transição relacionadas ao primeiro setor econômico em arrecadação do Estado. O comércio foi responsável, no período de janeiro a agosto de 2018, pela arrecadação de R$ 2,98 bilhões.

Os representantes da Associação Comercial do Amazonas (ACA), Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo Amazonas (Fecomércio), Câmara dos Dirigentes Lojistas de Manaus (CDLM), Abrasel no Amazonas, Associação Amazonense de Supermercados (AMASE) e Sindicato da Indústria da Panificação falaram sobre os principais gargalos que dificultam a abertura de empresas e expansão dos negócios. Carga tributária, revisão da Margem de Valor Agregado (MVA), investimentos públicos em infraestrutura, segurança nas áreas comerciais foram os problemas destacados pelos empresários.

Ao ressaltar a relevância de encontros com a classe empresarial, Wilson garantiu que está disposto a ouvir as demandas e colocá-las em análise para futuros projetos de Governo. “Estamos construindo um projeto participativo, onde impera o diálogo. Vamos reunir com outros segmentos como a indústria, educação, área de saúde para que seja formatada uma gestão que atenda as reais necessidades do cidadão, que precisa de redução do custo dos alimentos, atendimento de saúde assim como de outras áreas que são de competência do estado com qualidade”, afirmou ele.

Para Zeina Russo, presidente da Abrasel no Estado, a reunião é um marco dessa nova gestão. “Estamos nos sentindo honrados e acolhidos. Esta reunião foi muito proveitosa pois, todos os empresários estão sendo chamados para discutir suas dificuldades, trazer demandas e propostas para o novo governo”, disse ela colocando a associação à disposição do novo governo para contribuir com o setor de alimentação fora de casa. 

O presidente da CDLM, Ralph Assayag, afirmou que o setor comercial está otimista e que novas lojas deverão ser abertas ainda este ano. “Teremos a inauguração de mais 15 lojas até o final do ano, gerando de 500 a 600 empregos diretos e vamos conseguir abrir mais lojas ano que vem”, pontuou ele. Para Jaime Benchimol, presidente da Fogás, as demandas do setor comercial passam pela simplificação da burocracia, liberdade para empreender, estado mais eficiente, busca de novas alternativas, assim como o enfrentamento de questões ambientais para transformar o Amazonas.


Fonte: A Crítica