A Abrasel no estado estima aumento de 15% nas contratações até dezembro

A ocupação temporária pode ser, além do alento em meio ao desemprego, o início ou recomeço de uma trajetória profissional. Para Wesley Laureano, 25 anos, a experiência de três meses como estoquista possibilitou a efetivação na sapataria onde trabalha há dois anos, no Centro da Cidade. Agora, a abertura do mercado para o fim do ano trouxe a oportunidade de promoção para vendedor. "Foi importante para o meu crescimento", relata.

De acordo com a Associação de Barracas da Praia do Futuro, abriram 400 novas vagas de emprego temporário. Destas, 70% para os cargos de garçom e cumim. A Abrasel no Ceará e Sindicato de Restaurantes, Bares, Barracas de Praia, Buffets e Similares do Estado (Sindirest-CE) estimam aumento de 15% nas contratações até dezembro.

A história pode se repetir. No Ceará, 4 mil novos postos estão abertos para atender, principalmente, demandas do comércio e setor de serviços, segundo o Sistema Nacional de Emprego e Instituto de Desenvolvimento do Trabalho (Sine/IDT). Com mais oportunidades, jovens podem conquistar a primeira colocação por meio do serviço provisório. A experiência conta no currículo e amplia as chances. Segundo Jidlafe Rodrigues, gerente do Sine/IDT Centro, a procura por emprego aumentou cerca de 30% nas unidades da Capital. "O trabalhador enxerga que pode ser um grande processo seletivo, no qual a empresa abre a porta por alguns meses e observa o desempenho dele".


Rodrigues afirma que cerca de 20% dos temporários obtêm contratação permanente."Se o candidato tem se saído bem, pode já ficar lá após o término no contrato. No entanto, pode ser que não tenha vaga na empresa. Mas ele será lembrado meses depois. Essa lembrança positiva é muito importante que seja deixada lá", explica. Há três meses desempregada, Dayane da Costa Carvalho, de 21 anos, aposta nessa chance para voltar ao mercado. Com outras 24 pessoas, ela participou ontem de uma seleção para vendedora. "Eu trabalhei três anos como recepcionista exatamente após um emprego temporário. Não tenho experiência com vendas, mas estou confiante que vou conseguir mais uma vez", relata.

O presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Ceará (Fecomércio-CE), Maurício Filizola, explica que os lojistas aproveitam o momento para avaliar o potencial do candidato. "A capacitação é o primeiro passo para ampliar as possibilidades. Também é levando em conta a capacidade de comunicação, o bom relacionamento com os colegas, postura e simpatia". De acordo com a Fecomércio, via Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento do Ceará (IPDC), a projeção é de 6,5 mil novos empregos, considerando setembro a dezembro. O número é superior a igual período do ano passado, quando foram registradas 2 mil contratações, e a 2016, que teve 3,3 mil.


Fonte: O Povo