19/07/12 - Novos hábitos impulsionam alimentação fora do lar

 

A consolidação das padarias como opção de refeição na rua, a evolução dos restaurantes das lojas de conveniência em postos de combustível, o aumento de estabelecimentos que servem comida por quilo e o alimento comprado para ser consumido em casa são fortes tendências do varejo de alimentação nos próximos anos. É o que aponta um estudo exclusivo da GS&MD Gouvêa de Souza, empresa de consultoria e serviços voltados a varejo, marketing e distribuição.

A pesquisa ouviu 1.016 pessoas em quatro capitais brasileiras: São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre e Recife. Entre os entrevistados, 66% disseram fazer refeições em super e hipermercados, 61% em padarias, 55% em restaurantes de rede e 44% em restaurantes independentes.

Foi constatado que, durante a semana, o gasto médio para almoçar é de R$ 19,30. Em 2010 esse índice estava em R$ 14,80. Já durante o fim de semana, o gasto médio no almoço caiu de R$ 37,20 para R$ 30,50.

 

O aumento das vendas de produtos prontos para comer em casa é um fenômeno visto tanto em supermercados como em restaurantes e já está consolidado em outros países. “Temos exemplos como Casino e Monoprix, na França, e Whole Foods, nos Estados Unidos, onde é comum você comprar uma refeição completa para comer no conforto de sua casa.”, diz Luiz Goes, sócio sênior da GS&MD. O estudo identificou que, dois anos atrás, 69% dos consumidores compravam comida pronta para consumir em casa. Em 2012 o índice subiu para 77%.

As padarias se reforçam como um destino diário do consumidor brasileiro, e não somente pela manhã, mas também nos horários de almoço e jantar. O estudo revelou que 61% dos entrevistados costumam se alimentar em estabelecimentos desse tipo. Já os restaurantes que oferecem comida por quilo para almoçar durante a semana são freqüentados por 48% dos entrevistados, contra 23% da pesquisa de 2010.

As lojas de conveniência presentes em postos de combustível aparecem na pesquisa como locais não somente para a compra de produtos de necessidade básica, mas também para fazer uma refeição completa, especialmente o café da manhã.

 

Fonte: DCI