17/07/12 - Franchising precisa evoluir na qualidade das relações, acredita consultora

 

Especialista chama atenção para dois aspectos: transparência na relação com os franqueados e necessidade de rever os processos de seleção

O franchising brasileiro cresce a cada dia, tanto em faturamento como em número de unidades. São aspectos que comprovam que o sistema se consolidou como um caminho interessante para aqueles que querem ter um negócio próprio.

Esta evolução, na opinião da consultora Melitha Novoa Prado, já deveria ter eliminado dois problemas que insistem em "rondar o sistema": a falta de transparência na relação entre o franqueador e franqueado e também a ineficiência no processo de seleção.

"Há uma desproporcionalidade entre os números conquistados pelo franchising e a qualidade e perenidade das relações. E, na minha opinião, não há mais espaço para este tipo de problema", afirma Melitha.

 

Com relação à falta de transparência na relação com o franqueado, Melitha acredita que o franqueador nem sempre entende o que é ser verdadeiramente transparente. "Não basta dar Circular de Oferta de Franquias, treinar e mostrar estudos de viabilidade financeira. O franqueador precisa informar quem são as pessoas que fazem parte da estrutura da empresa; quais as atribuições de cada uma; como é a dinâmica da relação com os fornecedores; quais são os valores da empresa e qual é o objetivo da marca, entre outras questões", explica a cosultora.

Melitha destaca ainda que, numa reunião com um franqueado, assustou-se quando percebeu que, mesmo estando na rede há quase um ano, ele não conhecia a estrutura da própria franqueadora. "Muitas marcas 'recrutam' o franqueado e o jogam numa loja sem nenhum tipo de suporte. Ele não sabe quase nada sobre a marca que trabalha e na qual investiu. Isso é inadmissível", afirma.

Sobre a seleção, Melitha lamenta o fato de, segundo ela, muitas redes ainda não darem a devida atenção a este processo. "Se o franqueador selecionou mal, vai ter problemas com toda a certeza", adverte.

"Noto que muitas redes ainda selecionam de forma incompleta e inadequada. Não entenderam que o perfil do franqueado mudou muito e que o processo de seleção não pode ser defasado. Ao contrário, precisa ser constantemente revisto", complementa.

Fonte: Administradores