Para o jornalista, a venda de vinhos acaba limitada a um nicho de mercado por falta de visão, não do potencial do produto

alt

Jornalista especializado em vinhos e colunista da revista Prazeres da Mesa e da rádio CBN, Jorge Lucki irá compartilhar toda a sua experiência sobre os impactos da oferta de vinho para bares e restaurantes.com os participantes do Fórum Gestão à Mesa. No dia 14 de junho ele comanda um painel – ao lado do empresário Pedro Hoffmann, do restaurante Peppo Cucina (RS), e do também jornalista Ricardo Castilho, diretor da revista Prazeres da Mesa – para mostrar como uma boa carta de vinhos pode ser uma interessante estratégia para conquistar novos clientes.

Para Lucki, é preciso ressaltar que o vinho é um fator importante dentro do faturamento de um restaurante. “Embora os estabelecimentos vivam de comida, ela dá mais trabalho e menos lucro que a venda do vinho”, explica. Para que isso aconteça, o jornalista defende que o planejamento deve ser feito com base no tipo de gastronomia que a casa oferece. “As cartas de vinhos na maioria das vezes são feitas com um viés apenas de negociação comercial. Muitos empresários fazem parcerias com importadoras de vinhos que empurram para os estabelecimentos tipos de vinho que não tem nada a ver com os cardápios das casas, daí não há discurso que se sustente. Tem que ter essa compatibilização com a comida, é obrigação”.

Segundo ele, a venda desse produto acabada hojelimitada a um nicho de mercado por uma falta de visão do empresário, seja na negociação, na escolha dos vinhos ou no treinamento dado aos funcionários.

Capacitação

“Quem vende o vinho não é o dono do restaurante. Na maioria das vezes é um garçom, que não tem culpa de não ter tido um treinamento adequado para entender o produto que serve”, explica o jornalista, que defende a valorização dos sommeliers. “Nisso, há de se repensar também a alta rotatividade do setor. O que adianta investir no funcionário se a remuneração for baixa? O sujeito vai sair para um outro emprego que pague um pouco melhor. Tudo passa pela capacitação”.

Vinho brasileiro

Sobre o vinho brasileiro, Lucki opina que a qualidade continua melhorando cada vez mais, e que o problema continua sendo a competitividade. Ele explica que a baixa rotatividade, a produção em uma escala menor que em países vizinhos com tradição na produção, como Argentina e Chile, e a alta taxa de juros deixam os vinhos nacionais em condições desfavoráveis em relação aos importados. “Não é um problema do produtor. Vendemos caro para pagar os custos”, diz.

Sobre o evento

Entre os dias 11 e 15 de junho, a atenção dos principais empresários e lideranças do setor de alimentação fora de lar do Brasil estará focada em São Paulo. É quando a Abrasel realiza o Encontro Nacional Abrasel - Semana da Alimentação Fora do Lar, com uma série de eventos essenciais para gestores e profissionais desse mercado: a Fispal Food Service com o exclusivo Lounge Abrasel, o Fórum Gestão à Mesa e o Lounge do Vinho – todos em parceria com a Fispal.

Fórum Gestão à Mesa

Este ano o evento acontece nos dias 13 e 14 de junho, no Expo Center Norte, em São Paulo. Serão cerca de 13 palestras e painéis, divididos em duas linhas: “Estratégia, tendências e visão macro” e “ Gestão e Inspiração”. O Fórum Gestão à Mesa é uma realização da Abrasel e da Fispal Food Service com patrocínio da Cielo.

Serviço:

Semana da Alimentação Fora do Lar
11 a 15 de junho
Solenidade de abertura: 11 de junho
Fispal Food Service 2018: 12 a 15 de junho
Mais informações em fispalfoodservice.com.br
Fórum Gestão à Mesa: 13 e 14 de junho
Mais informações em abrasel.com.br/forum-gestao-a-mesa