Dia da Liberdade de Impostos tem a adesão de 15 estados e do Distrito Federal

Sabia que 40% do valor que você paga na gasolina são impostos? E que, a cada R$ 100 que você gasta em itens de perfumaria, R$ 70 representam tributos? A carga tributária brasileira está entre as mais elevadas do mundo. Ela corresponde, em média, a 41,8% do rendimento bruto de cada cidadão. Isso significa que o brasileiro precisa trabalhar, em média, cinco meses para pagar seus impostos enquanto o retorno em serviços recebido fica muito aquém dos altos tributos pagos. Por isso, que pela 12ª vez a pesada carga tributária no Brasil inspira o Dia da Liberdade de Impostos (DLI). A Abrasel se une, nesta quinta-feira, 24 de maio, às Câmaras de Dirigentes Lojistas CNDL, que lidera da ação, e outras instituições do comércio com o objetivo conscientizar a população sobre a alta carga de impostos e apoiar a simplificação tributária no Brasil.

Supermercados, drogarias, shoppings centers, padarias, restaurantes e concessionárias de veículos vão aderir ao evento e oferecer descontos de até 70%. A proposta do DLI é que, por um dia, os comerciantes deixem de repassar ao consumidor o percentual que pagam em impostos. Entre os participantes, postos de gasolina venderão 100 mil litros de combustível com 40% de desconto, exatamente a alíquota de impostos que compõe o valor final.

“Além de proporcionar aos consumidores a aquisição de produtos mais baratos, a campanha estimula a conscientização sobre a complexidade e peso da carga tributária brasileira, sem retorno à altura em saúde, educação, segurança e transporte para a população”, explica Lucas Pitta, coordenador nacional da CDL Jovem.

Pitta espera dobrar o total de estabelecimentos participantes em relação a 2017, quando cerca de mil lojas e 10 shoppings aderiram ao movimento. “O Dia da Liberdade de Impostos cresce a cada ano, com mais CDLs aderindo e, consequentemente, uma quantidade cada vez maior de lojistas e consumidores impactados”, avalia o coordenador, destacando que a campanha agora conta com um símbolo, o Impostossauro, descrito como “o pesadelo do Brasil”.

Participarão do DLI, no dia 24 de maio, estabelecimentos nos seguintes estados: Amapá, Bahia, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Roraima, Paraíba, Goiás, Amazonas, Pernambuco, Ceará, São Paulo, Espírito Santo, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul e Mato Grosso, além do Distrito Federal. Os estabelecimentos participantes serão divulgados pelas CDL participantes, à medida em que houver adesões. Pela Abrasel, bares e restaurantes também entraram na ação em cidades brasileiras de norte a sul do País, como Belo Horizonte (MG), Belém (PA) e Londrina (PR).

A carga tributária média no setor de alimentação fora do lar corresponde a 32%, ou seja, aproximadamente um terço do prato do brasileiro tem o gosto amargo dos impostos. Nesta data, restaurantes participantes do protesto comercializam seus produtos sem impostos para evidenciar que o preço pago pelo consumidor poderia ser muito menor.

Para Lucas Pêgo, diretor de desenvolvimento da Abrasel, os bares e restaurantes muitas vezes são vistos como “vilões” pelos preços praticados, no entanto, o consumidor deve se conscientizar de que a alta carga tributária do país onera o preço do cardápio. Apesar de os impostos serem importantes e necessários, a Associação integra esta data para mostrar à sociedade que pagamos impostos de primeiro mundo mas temos do governo um retorno em serviços de terceiro mundo.

Mesmo a carga tributária do Brasil sendo uma das maiores do mundo, de acordo com o estudo Carga Tributária/PIB x IDH – Cálculo do Índice de Retorno de Bem-Estar à Sociedade – IRBES,  o país gera o pior retorno à população em saúde, educação e segurança, nas esferas federal, estadual e municipal. Publicado pelo do Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), o documento traz análises dos 30 países que possuem as maiores cargas tributárias do mundo. Suíça, Coreia do Sul, Estados Unidos e Austrália lideram o ranking.

Para completar, estimativa feita pela CDL Jovem, com base em estudo do mesmo IBPT, em 2018, os brasileiros vão trabalhar aproximadamente 5 meses apenas para pagar impostos. Neste ano, até 30 de abril, de acordo com o “Impostômetro” da Associação Comercial de São Paulo, foram pagos mais de R$ 800 bilhões em tributos em todo o país.



Fonte:
Com informações da CDL Jovem