Tendência dá autonomia para cliente provar diferentes estilos de cerveja


A crescente oferta de cervejas nacionais vem aguçando a curiosidade dos bebedores, tanto leigos quanto entendidos. Para atender a clientela sedenta por novidades, casas paulistanas investem em tecnologias de autosserviço, permitindo que o cliente pague de acordo com o volume no copo.

São oferecidas dessa maneira as bebidas da hamburgueria C6, aberta em janeiro no Mercado Municipal de Pinheiros. Sob o comando da dupla Marcos Livi e Gil Guimarães, da Napoli Centrale, a casa investe em receitas preparadas na brasa e, para harmonizar, seis torneiras jorram chope artesanal nacional. A seleção rotativa é assinada pela sommelière Carolina Oda.

"Queremos que o cliente tenha autonomia para operar a chopeira e prove diversos estilos", explica Livi, que pretende implementar a tecnologia em outros três endereços do grupo, entre eles o bar Quintana e o empório Officina, ambos na zona sul paulistana.

Na região central, um bar pequenino aberto em novembro tem na parede que sustenta 20 bicos de autosserviço seu principal atrativo. À frente do lugar, providencialmente batizado de Cerveja a Granel, estão dois antigos apreciadores da bebida fermentada: Carolina Cruz e o Leopoldo Furtado.

Sem cozinha, cardápio ou garçons, o atendimento é feito pelo casal de proprietários, que explica aos novos frequentadores a maneira ideal de servir a bebida. Depois do rápido treinamento -é simples, basta inclinar o copo para evitar o excesso de espuma e não deixar o bico encostar no líquido-, os clientes se servem à vontade com o próprio cartão de consumo, que pode ser vendido por R$ 10 (e usado como uma espécie de Bilhete Único) ou emprestado no caixa.

"Focamos a diversidade. Em três meses já oferecemos mais de cem cervejas", diz Furtado. São engatadas novidades quase todos os dias, com preços que variam entre R$ 2 e R$ 7,20 por 100 mililitros. Os valores têm desconto se as bebidas forem levadas para casa em growlers, os garrafões reutilizáveis.

Em outros endereços, o mesmo sistema é empregado no serviço exclusivo das bebidas de uma marca. No Bar da Avareza, por exemplo, há 12 torneiras dedicadas à cervejaria Mea Culpa, de Cotia. Já na unidade do Bar do Urso localizada na rua Maria Antônia, na Vila Buarque, são engatados seis barris da Colorado, originária de Ribeirão Preto.

Fonte: Folha de S.Paulo