Empresas e profissionais que investem no delivery já têm até 50% dos negócios nesse formato

Sair de casa para comprar só mesmo se for necessário. Essa é a filosofia do gerente de administração Vanderson Silva, que se tornou preferencialmente um consumidor a distância. Ele conta que é um dos adeptos do novo sistema de delivery, via aplicativos. “Hoje, praticamente 90% das minhas compras são via aplicativos, de alimentos a roupas. A vantagem é a praticidade” diz. Outro benefício dessa modalidade é ter ferramentas que permitem fazer pesquisas nos apps, segundo Silva.

É fato que o serviço de delivery já existe há anos. A diferença é que, se antigamente, o atendimento era exclusivamente pelo telefone, hoje, com a tecnologia, os mais diversos canais de atendimento são utilizados pelas empresas – e-mail, WhatsApp, sites e aplicativos –, com o objetivo de ficar mais próximo do consumidor e, assim, aumentar as vendas.

O delivery é tão importante que metade dos restaurantes e das lanchonetes atendidos pelo Sebrae em todo o país oferece o serviço, sem terceirização, para dar mais comodidade ao consumidor.

Além dos estabelecimentos que adotam a modalidade há décadas, negócios recentes no formato tradicional estão adotando o delivery. É o caso da hamburgueria The Taste Burguer, que depois de dois anos de mercado, em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte, se rendeu às entregas via telefone e aplicativo. Esse modelo começou no fim do ano passado.

Trânsito pior ajuda a aumentar a demanda

A combinação de pessoas com menos tempo livre e trânsito cada vez pior, em especial nas grandes cidades, fez a demanda pelos serviços de profissionais em domicílio aumentar. É o caso da fisioterapeuta Isabel Cristina Lara Freitas, que percebeu alta na demanda por esse tipo de serviço nos últimos três anos na capital. “Em torno de 80% de meus atendimentos são nas residências”, afirma. Ela vai até a casa de seus pacientes há dez anos.

Isabel diz que, entre os mais jovens, a procura pelo atendimento em casa tem relação com o trânsito ruim. No caso dos pacientes mais idosos, ela ressalta que existe a dificuldade de locomoção – muitos não dirigem e ficam dependendo de um parente para acompanhá-los a uma clínica. “Existe a comodidade de ter o serviço em casa. Além do tempo, há gastos nos deslocamentos, seja num estacionamento ou no pagamento do transporte, seja um táxi ou Uber, por exemplo”, analisa.

Abrafood

O Abrafood é o aplicativo de pedido de comida delivery exclusivo aos associados da Abrasel. A plataforma, que foi lançada em janeiro de 2016, já está presente em oito estados/cidades: Alagoas (Maceió), Amazonas (Manaus), Bahia (Salvador), Paraná (Curitiba), Paraíba (Campina Grande e João Pessoa), Rio Grande do Norte (Natal) e Santa Catarina (Florianópolis).

O aplicativo é gratuito e não cobra nenhuma taxa ao consumidor, nem taxa do restaurante por pedido. Com uma interface simples e intuitiva, basta o usuário fazer o cadastro informando o CEP e o número da residência, e consegue visualizar os estabelecimentos que atendem à sua região. Após fazer o seu pedido, o usuário é convidado a fazer login por meio da criação de uma conta ou então pelo acesso via Facebook. Em seguida, é só escolher a forma de pagamento e finalizar o pedido. O aplicativo está disponível tanto para plataformas IOS quanto Android. O uso desse serviço é prático e seguro. Saiba mais em abrafood.com.br


Fonte: Jornal O Tempo