Quem investe em ambiente e em padrão, chama a atenção de um público mais exigente e que gasta mais', afirma o diretor-executivo da Abrasel no Paraná


alt

Donos de bares e restaurantes de Curitiba têm investido em temas diferenciados para atrair clientes. De acordo com o diretor-executivo da Abrasel no Paraná, Luciano Bartolomeu, os estabelecimentos temáticos têm mais movimento do que os comuns – de 20% a 30%. Para Bartolomeu, os bares e restaurantes que pretendem aumentar o movimento e o faturamento devem investir no ambiente. Ao todo, segundo Bartolomeu, são 11 mil estabelecimentos do segmento na cidade.

"Bares tem, praticamente, em cada esquina. É um setor muito grande e em crescimento", diz. A expectativa da Abrasel-Paraná é que setor de bares e restaurantes cresça 3%, na capital paranaense, neste ano. Por isso, a temática é um diferencial importante. Uma réplica de uma estação-tubo – que são os pontos de parada dos ônibus biarticulados – abriga um restaurante japonês. "Ideia é homenagear a cidade", afirma o empresário curitibano e cozinheiro oriental Marcel Chorobinski, de 43 anos.

Dentro da estação-tubo, de 40 metros quadrados, fica a bancada. Há uma parte externa coberta com 40 lugares, e um contêiner complementa o espaço. Chorobinski conta que idealizou o projeto há três anos. A inauguração ocorreu dois anos depois, em janeiro de 2017. "Estava saindo do shopping, era um dia de chuva, então fiquei esperando e olhando para uma estação-tubo que tinha ali na frente. Imaginei o restaurante dentro do tubo, com as lanternas. Dava um restaurante legal", relembra. Na mesma hora, Chorobinski ligou para um amigo serralheiro. "Expus a ideia, e ele concordou. Então, fizemos a réplica".


Detalhes

A montagem da estrutura demorou quase um ano, pois, segundo Chorobinski, foi preciso encontrar alguém para entortar os ferros e uma empresa que fizesse a forma do vidro. Todos os detalhes do restaurante remetem a Curitiba. As embalagens mostram os pontos turísticos, e os pratos foram nomeados com referências ao transporte coletivo. Na entrada do restaurante, foi construído um pavimento imitando o calçadão da Rua XV. Para 2018, o empresário planeja a construção de uma réplica do Relógio das Flores e de bancos de praças de Curitiba para a área de fumantes. Mas os planos dele para o restaurante não param por aí.

Um pouco de Amsterdam em Curitiba


Já o empresário Neto Fabris, de 32 anos, quis trazer Amsterdam para Curitiba. Há uma semana, ele reinaugurou o bar, que leva o nome da capital da Holanda, em um novo endereço. "Eu e minha esposa viajamos bastante para fora. Há quatro anos conhecemos Amsterdam. A gente brinca que trouxe como 'lembracinha' a cidade", conta Fabris. Desde então, eles voltam todos os anos para Amsterdam. Em cada viagem, trazem um novo elemento para agregar ao estabelecimento.

Fabris explica que tentou aplicar referências de Amsterdam em todos os lugares do bar. Pavers coloridos imitam as ruas coloridas que lá existem e há um espaço com referência à Red Light District, que é o famoso bairro da Luz Vermelha. Além disso, ele misturou influências culturais e urbanas em grafites internos e externos que retratam pinturas de Vincent van Gogh.

O mapa de Amsterdam com os pontos turísticos também é usado na decoração. O empresário destaca a área destinada para fumar narguilé. Claro que uma bicicleta não poderia faltar. O meio de transporte bastante utilizado na capital holandesa também está representado no bar, logo na entrada. "Amsterdam é 100% bicicleta", diz.


Fonte: G1