Segundo a Alshop, foram realizadas quatro grandes reuniões entre lojistas e entidades para tentar chegar a um consenso

alt


As principais marcas do varejo brasileiro decidiram que, ao menos em 2018, vão manter a Black Friday em novembro, anunciou a Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop) nesta terça-feira (26). O movimento a favor de antecipar a data de um dos principais eventos do comércio nacional para setembro havia sido adiantado em agosto pelo E-Commerce Brasil.

De acordo com Nabil Sahyoun, presidente da Alshop – entidade que lidera o movimento -, os lojistas, principalmente os de e-commerce, não concordaram com a mudança. “Ou a gente tinha todos os no mesmo barco [ou não poderia mudar a data]. Infelizmente, os grandes grupos entenderam que precisam esperar um pouco, e ficamos com a Black Friday em novembro”, afirmou Sahyoun.

De acordo com ele, a entidade trabalha para criar uma data do varejo em setembro. “Vamos trabalhar em janeiro para lançar uma data, que seria em setembro, para o consumidor saia às compras”, concluiu.

Histórico

Segundo o presidente da Alshop, foram realizadas quatro grandes reuniões entre lojistas e entidades para tentar chegar a um consenso. A principal reclamação, especialmente do varejo físico, era a “canibalização” do Natal, já que a Black Friday ocorre apenas um mês antes, com margens de lucro menores.

Empresários escutados pelo E-Commerce Brasil ainda em agosto se mostravam divididos com a possibilidade de mudar a tradicional data para setembro. Para muitos deles, a data já está fixada na mente do consumidor.

Uma das instituicões a se posicionar contra foi a camara-e.net, que participou das reuniões da Alshop. “A gente não vê [a mudança] com bons olhos”, afirmou, à época, Leonardo Palhares, presidente da entidade. “A Black Friday é uma data promocional e mundial, não faz o menor sentido ter uma data diferente para o Brasil”.

Fonte: Ecommerce Brasil