De acordo com presidente da Abrasel no estado, a crise econômica no Brasil já dá sinais de despedida


Para Rodolphe Trindade, presidente da Abrasel no Ceará, 2017 foi de estabilidade, após dois anos complicados para o setor. “No ano da Copa, tivemos muitos bares que inauguraram, mas aí veio a crise, em 2015, e o rescaldo em 2016, o que levou muita gente boa a fechar as portas”, afirma.

Para ele, a crise econômica no Brasil, que já dá sinais de despedida, gerou também uma transformação na estrutura dos estabelecimentos. “Não existem mais tantos bares e restaurantes de grande porte. No mercado, agora, você encontra mais os bares de médio e pequeno portes, preocupados em ofertar um serviço e ambiente diferenciado para o cliente. Também estão mais próximos do público, dispersos nos bairros. Os donos se envolvem mais com as mídias sociais e, inclusive, fazem uma pesquisa maior para desenvolver seus cardápios”, diz, lembrando que o setor, no Ceará, também segue a tendência nacional.

Ele observa que isso e a mudança no cenário político garantiram também uma melhoria no mercado desde o segundo trimestre deste ano. “As mudanças começaram a ser sentidas já no mês de maio. O Governo Federal tomou medidas que deram um novo ano ao empresariado. Para o nosso setor, por exemplo, a reforma trabalhista no segundo semestre foi um dos pontos altos. Entre outras medidas que reforçam a nossa confiança, temos a regulamentação do teto máximo de gastos do governo e a lei da gorjeta”, diz Rodolphe.

E a expectativa para 2018 é de melhorias. Rodolphe acredita que, apesar de ainda ser um ano de recuperação para o setor, a previsão é de que os resultados em 2018 sejam ainda melhores. “Temos uma cidade que vive do turismo, onde 25% do PIB (Produto Interno Bruto) vem desta prática. No próximo ano, teremos a consolidação de mudanças no nosso cenário, como é o caso da Fraport, que vai ampliar ainda o acesso do turista a Fortaleza. Temos, com certeza, margem para aumentar mais essa porcentagem da renda gerada pelo turismo”, destaca.

Fonte: O Povo