O guia apresenta uma ampla oferta de alimentos, bebidas artesanais e cardápios típicos



A gastronomia diversificada de Minas Gerais serve de âncora para 27 roteiros da culinária típica regional do estado e 154 eventos com calendário permanente, entre festas temáticas e festivais. Recém-catalogado pela Secretaria de Turismo, esse acervo foi transformado numa espécie de guia, o Mapa gastronômico de Minas Gerais, que agora será referência para estimular a atividade turística em terras mineiras. A publicação, lançada ontem na Casa da Gastronomia Mineira – Mineiraria, reúne, ainda, as indicações de 122 produtores locais e estabelecimentos abertos ao turista.

Com o mapeamento dos roteiros, estruturados por grupo de cidades e a especialidade da culinária de cada um deles, o calendário de eventos e a lista de pontos de visita, o guia apresenta uma ampla oferta de alimentos, bebidas artesanais e cardápios típicos. São itens já considerados formadores da identidade cultural e do talento dos mineiros, incluindo, além dos conhecidos queijos, cafés e cachaças artesanais, os azeites, vinhos, licores, doces, cervejas, biscoitos, rapadura, melado, e receitas com frango, jiló, jabuticaba e ora-pro-nóbis. O secretário de estado de Turismo, Ricardo Faria, informou que a tiragem inicial de 2 mil exemplares será destinada a agências de turismo e turistas por elas atendidos. “A publicação é resultado do mapeamento das experiências gastronômicas pesquisadas pelo governo e que serão promovidas como atrativo turístico”, explicou. Os roteiros, eventos e as visitas a produtores locais foram coletados em 39 dos 47 circuitos turísticos conhecidos em Minas.


O governo estadual, segundo Ricardo Faria, decidiu pela publicação do mapa como parte de um programa que estabeleceu a gastronomia como política pública. Pesquisa feita pelo Observatório Turístico de Minas, braço da secretaria encarregado de monitorar o desenvolvimento do turismo, identificou que 24% das pessoas que visitam o estado entendem a gastronomia como uma espécie de marca registrada e fator relevante para conhecer Minas. A estatística que baliza a crença do estado, ao abraçar a culinária como atividade importante do turismo, é a que tem sido divulgada pela Organização Mundial do Turismo (OMT), indicando movimentação anual de receita de US$ 150 bilhões em torno da gastronomia no planeta. O fortalecimento da produção regional de Minas em algumas áreas mais desenvolvidas também confirma a diretriz.


Minas conta com 509 produtores registrados de cachaça artesanal e 1.020 marcas. Na fabricação de queijos, atuam 254 empreendedores de sete regiões, parte deles premiados no maior festival do queijo na França. Ainda emergente, a produção de cervejas artesanais envolve 51 microcervejarias no estado. Último levantamento feito pela Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg) em 2014 mostrou que as indústrias de alimentos e bebidas respondem por quase 20% do valor bruto da produção industrial mineira.


Expectativa


O Mapa gastronômico de Minas Gerais poderá também ser consultado pela internet no portal www.minasgerais.com.br. Para os comerciantes do Mercado Central da capital mineira, o mapeamento amplia os horizontes do turismo no estabelecimento. “Estamos investindo muito para receber os turistas nos últimos cinco anos, em que percebemos o crescimento do turismo no estado”, afirma o diretor-superintendente da instituição mantenedora do mercado, Luiz Carlos Braga. Considerado um dos melhores do país, o Mercado Central de BH tem o jiló com fígado, e o tropeiro como alguns de seus pratos mais famosos. Cerca de 40% do público que o estabelecimento recebe de quinta a domingo é de turistas. São 12 mil, em média, por dia, na quinta e na sexta-feira; e aos sábados esse fluxo dobra.


Os restaurantes de todo o estado também se preparam para usar o Mapa Gastronômico, de acordo com o presidente da seção mineira da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), Ricardo Rodrigues. Ele coordena a Frente da Gastronomia Mineira, com participação de 300 representantes de várias áreas empenhados na promoção da gastronomia. “Cada região do estado tem agora um norte para que o turista saiba o ‘terroir’ daquela região e para reforçar a gastronomia como indutora do turismo.” Em maio, o governo de Minas publicou dois decretos, um deles instituindo a Política Estadual de Desenvolvimento da Gastronomia Mineira, e outro que definiu a Casa da Gastronomia Mineira – Mineiraria.


Fonte: Sistema Faemg