CNC espera crescimento de 4,3% nas vendas de fim de ano em relação a 2016


As perspectivas de boas vendas nas festas de fim de ano estão alimentando os sonhos dos varejistas. Após dois anos de recessão e de queda nas vendas do comércio, a reação da economia vai ajudar a reerguer a atividade. O setor prevê que terá, neste Natal, o melhor desempenho em quatro anos. Motivos não faltam para sustentar o otimismo. A inflação, que tanto comprometeu o poder de compra das famílias, deu trégua este ano. Com a desaceleração dos preços, os juros também caíram. E, se há uma receita que agrada aos consumidores, é a possibilidade de comprar produtos à vista, com preços mais em conta, ou em prestações que caibam no orçamento. Devido ao cenário favorável, a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) espera para o Natal de 2017 um crescimento de 4,3% nas vendas.

Outro fator que nutre as expectativas de um Natal mais gordo é a melhora do mercado de trabalho. Após o contingente de desempregados ter atingido quase 14% da população ativa, no auge da recessão, o aumento das contratações — a princípio, em regime informal, e, mais recentemente, também com carteira assinada — reforçam a perspectiva de incremento nas vendas. A expectativa de maior movimento nas lojas, por sua vez, terá peso fundamental para a geração de vagas temporárias no comércio, que devem crescer 9,6% em relação ao ano passado.

Para o próximo Natal, a CNC projeta a geração líquida de 73,1 mil vagas temporárias. Somente o segmento de vestuários e calçados deve responder por 66,9% desses postos de trabalho, prevê o chefe interino da Divisão Econômica da CNC, Fábio Bentes. Os ramos de artigos de uso pessoal e de móveis e eletrodomésticos vão oferecer 16,4% desses empregos. “O crédito mais barato e a inflação menor favorecem os gastos das famílias com a compra de bens semiduráveis e duráveis. Do ponto de vista de recursos para o consumo, teremos certamente um Natal com melhores perspectivas”, prevê o economista.

Outro fator que leva Bentes a apostar em boas vendas no fim de ano é a injeção de R$ 15,9 bilhões na economia, a partir deste mês, com os saques das contas do PIS/Pasep. A medida, autorizada pelo governo, deve favorcer cerca de 8 milhões de consumidores. Embora o valor e o número de beneficiários sejam menores que os envolvidos no resgate das contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), no primeiro semestre, é um montante equivalente a 0,2% do Produto Interno Bruto (PIB), que, certamente, contribuirá com um fluxo extra de recursos para o consumo.

As expectativas para o Natal são positivas não apenas por um benefício exclusivo e temporário do varejo. A previsão de melhora das vendas é um sinal de que o consumo das famílias, que responde por cerca de 60% do PIB, está dando sinais de retomada, ainda que lentamente. E a perspectiva de empregos temporários reforça a confiança dos empresários, que tendem a elevar os investimentos a médio prazo. São sinais macroeconômicos fundamentais para garantir um crescimento sustentado da economia.

Reforma

O otimismo dos empresários é reforçado, ainda, pela reforma trabalhista, que começará a gerar efeitos em novembro. A flexibilização da legislação deve favorecer a manutenção de cerca de um quarto dos 73,1 mil cargos temporários a serem criados no fim de ano. A CNC prevê uma taxa de efetivação de 27% desses empregados. “É uma consequência da reforma. Claro que a nova lei vai demorar um pouco para pegar, mas aumentará o apetite do varejista em contratar”, diz Bentes.

A expectativa de ganhos de produtividade com a reforma trabalhista deve contribuir para que as vendas no Natal cresçam 2% nos shopping centers. É o que projeta o presidente da Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop), Nabil Sahyoun. “Antes, não poderíamos contratar temporários por horas determinadas, como em horários de pico. Agora, teremos uma situação bem melhor”, pondera. A flexibilização assegurada pela regulamentação do trabalho intermitente também reforça as expectativas de segmentos da área de alimentação. Afinal, além de presentear familiares e amigos, muitas famílias fazem refeições na rua em dezembro.

O presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), Paulo Solmucci, prevê, para o último trimestre deste ano, faturamento 5% maior em relação ao mesmo período do ano passado. Embora a entidade ainda esteja fechando as projeções de vagas temporárias, é certo que o setor contratará mais trabalhadores provisórios do que em 2016. “O setor sempre contratou de maneira temporária. Teremos um impacto muito grande, sobretudo nas regiões turísticas”, destaca. “O trabalho intermitente deve favorecer a criação de 2 milhões de empregos no setor de alimentação fora do lar dentro de cinco anos”, acredita.


FonteCorreio Braziliense