* Por Rodolphe Trindade, presidente da Abrasel no Ceará

alt

O Polo de Gastronomia do Dragão do Mar representa a maior área de entretenimento do Norte/Nordeste e, talvez, uma das maiores do Brasil. Com certeza é a mais eclética da Cidade. Mas agora já não sei se estamos neste ranking. Será que o Dragão terá o futuro da Praia de Iracema?

No sábado, 19, participei do último samba do Buoni Amici’s Sport Bar, casa chefiada pelo amigo e diretor da Abrasel no Ceará Célio Paiva. Foram 17 anos funcionando, gerando 60 empregos e muita alegria. Seu fechamento é resultado da dificuldade que muitos outros donos de estabelecimentos da região estão sofrendo. Fato que não é de hoje, mas, sim, anunciado desde quando nós, da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes do Ceará, em parceria com o Sebrae, criamos o polo de gastronomia e entretenimento do Dragão do Mar, em 2015.

Na época, após diagnóstico da região, já anunciávamos que a problemática do Dragão era a mesma vivida pela Praia de Iracema nos anos 2000. E alertamos o poder público estadual e municipal. Infelizmente, as soluções tomadas pelo Estado foram ineficientes para o nosso setor e faltou força ao Município para resolver o problema, mesmo após várias reuniões com os gestores responsáveis.

Estabelecimentos sendo fiscalizados e multados, inúmeros ambulantes em suas portas, situação que chega a ser desrespeitosa com quem paga seus impostos. Ou libera-se de vez a informalidade ou seguem-se as regras. Se liberarmos a atividade dos ambulantes sem as exigências impostas aos formais, então não podemos impor os trâmites legais aos comércios legalizados, que geram impostos e empregos.

Portanto, acredito na coerência da atual gestão da Prefeitura de Fortaleza em resolver o mais rápido possível a questão da informalidade, não só nesta área, mas em tantas outras. A Abrasel estará sempre pronta e aberta a trabalhar para que a legalidade e o bom funcionamento do setor de alimentação fora do lar sejam respeitados.

Rodolphe Trindade
Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

* Artigo publicado originalmente no Jornal O Povo