24/03/2017 - Presidente da Abrasel apresenta demandas do setor na Câmara Municipal de Campo Grande

CLIPPING - NOTÍCIAS DOS PRINCIPAIS VEÍCULOS DO PAÍS

 

Entre as reivindicações, Battistel solicitou aos parlamentares a ampliação do horário do transporte coletivo urbano

 

 

A sessão ordinária desta quinta-feira (23) contou com a presença do presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes de Mato Grosso do Sul – Abrasel, Juliano Battistel que usou a Tribuna para apresentar as demandas do setor e pedir ajuda dos vereadores no atendimento às reivindicações da categoria.

Em Plenário a convite do presidente da Casa de Leis, vereador Prof. João Rocha, Juliano Battistel solicitou aos parlamentares a ampliação do horário do transporte coletivo urbano, cuja última linha é às 2h30 da madrugada, para que o último ônibus passe às 3h30 da manhã e se deslocasse até os altos da Avenida Afonso Pena, no Shopping Campo Grande e não só na Praça Ary Coelho. “Somos três mil empresas abertas no setor, gerando oito mil empregos diretos. Muitos estabelecimentos fecham entre 3h e 4h da manhã e por conta da dificuldade de deslocamento temos muita limitação na contratação de profissionais para esses horários, pois eles só conseguem ônibus às 5 horas da manhã”, explicou.

Ainda segundo o presidente da Abrasel, “precisamos de um zoneamento de bares e restaurante, assim como tem sido feito na Avenida Bom Pastor e na Rua da Divisão, mas esses locais precisam de uma atenção especial, com iluminação adequada, segurança pública e transporte. O policiamento constante deve existir, esse setor precisa de uma patrulha especial na madrugada”, destacou.

Juliano também fez um apelo especial pela Rua Antônio Maria Coelho, que “foi alvo de uma fiscalização mais rigorosa e não pode ter mais música ao vivo. Pedimos aos vereadores uma revisão do zoneamento, como foi feito com a Rua Euclides da Cunha, tornando-a uma área mais comercial”, disse.

Por fim, o presidente disse que “nós empresários acreditamos em Campo Grande, acreditamos nessa Câmara e pedimos: acreditem no nosso setor, um setor que gera empregos, paga impostos. Pedimos mais espaço e mais apoio da Prefeitura para que possamos ver Campo Grande crescer ainda mais, gerando mais fartura, mais riqueza e mais emprego para nossa cidade”, reforçou.

 

Fonte: A Critica