22/09/2016 - 55% dos empresários acreditam que ofertarão algum emprego

CLIPPING - NOTÍCIAS DOS PRINCIPAIS VEÍCULOS DO PAÍS

 

A construção de novas crenças é essencial para melhorar o desempenho da economia em 2017

 

 

As coisas parecem que pararam de piorar para o comércio ou, pelo menos, essa é sensação das lideranças do setor.

O presidente da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), Honório Pinheiro, explica que voltou a crença no alívio do segmento e no retorno das vendas, e o varejo trabalha com a perspectiva de repetir os números alcançados em 2015.

A consequência disso poderá ser verificada na geração de emprego. Pesquisa realizada pela CNDL mostra que 55% dos empresários do comércio acreditam que terão de ofertar algum emprego nos próximos meses.

Outro dado importante: 54% dos empresários do comércio e serviços esperam conseguir um novo modelo de contrato trabalhista, dentro do que está sendo defendido pelo presidente Michel Temer.

Honório diz que a legislação deve ser atualizada. Uma das bandeiras do comércio é a implantação do trabalho intermitente, que ajudaria a adequar horários de profissionais de diversas áreas. O resultado, na avaliação deles, seria a geração de mais empregos.

 

INVESTIMENTOS - NOVAS CRENÇAS NA ECONOMIA

A construção de novas crenças é essencial para melhorar o desempenho da economia em 2017. O presidente da CNDL explica que em 2016 houve corte de investimentos, mas a classe empresarial analisa a conjuntura para voltar a realizar novos negócios.

Na avaliação de Honório, o presidente Temer terá de mostrar a melhora na economia e precisa aprovar vários projetos para que isso ocorra. Quanto ao Nordeste, ele acredita que ainda não passou o momento da região como área atraente para novos projetos.

“Dos ativos disponíveis no planeta, apenas 30% são utilizados. Não precisamos fazer análise macroeconômica. O mundo vive de construções coletivas. O varejo é ligado a atividades coletivas e recebeu um olhar muito míope. O País foi construído com uma legislação de 60 anos e é fundamental mudar”, acrescenta.

 

Fonte: O Povo. Para ler a notícia na íntegra, acesse o site.