22/05/12 - Barreira do Brasil à Argentina impede entrada de batatas congeladas

As batatinhas fritas das grandes redes de "fast food", como McDonalds, Burger King e Bob's, entraram na linha de tiro da disputa comercial entre Brasil e Argentina, desencadeada pelas medidas protecionistas tomadas pelo governo argentino desde o início do ano. Pelo menos 45 caminhões de batata preparada e congelada estão retidos na fronteira entre os dois países, impedidos de entrar no Brasil, desde o fim da semana passada.

Neste domingo, a canadense McCain, maior fabricante argentina, decidiu paralisar a produção de sua fábrica em Balcarce, onde são processadas 180 mil toneladas de batata por ano. "O custo de armazenamento é muito alto e trabalhamos sem capacidade ociosa. Não havia como manter a produção", disse o diretor de recursos humanos da empresa, Claudio Ribero. Além de ter 30 caminhões parados, a McCain está com 45 contêineres cheios em portos e cerca de 300 pedidos brasileiros aguardando liberação.

A segunda maior fabricante, a holandesa Farm Frites, diz que tem fôlego para uma semana. "Nunca tivemos um problema desses com o Brasil. É uma situação nova", afirmou o CEO, Fabio Calcaterra. A Farm Frites está com 15 caminhões retidos, porque conseguiu que outros 15 voltassem para a fábrica e armazenassem a produção. A empresa processa em sua unidade de Munro 100 mil toneladas de batata por ano.

Em razão da baixa rentabilidade industrial do vegetal brasileiro, o país depende de importações do produto preparado para ser frito como batata palito. Tanto a McCain quanto a Farm Frites têm no Brasil o principal cliente para seu produto. Em 2011, de acordo com dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior do Brasil, o país importou 126,5 mil toneladas por US$ 130,3 milhões da Argentina. É um valor superior, por exemplo, às compras brasileiras de pescados e mariscos, de vinho ou de carne bovina do país vizinho.

A crise entre os dois países começou quando a Argentina criou, no dia 1º de fevereiro, uma declaração jurada de autorização de importações, que, na prática, estendeu o regime de licença não automática a toda pauta de compras do país. A medida reduziu as importações argentinas de forma geral, mas o Brasil foi o principal atingido. Segundo os dados do governo argentino, no primeiro trimestre houve uma queda das compras do Brasil de 17%, enquanto não houve variação percentual das importações do país como um todo.

O governo argentino ainda não divulgou a sua balança comercial de abril, mas pelos dados do governo brasileiro o problema se aprofundou, com uma queda de 23% somente no mês passado. No dia 15, o Brasil passou a exigir licença de produtos perecíveis argentinos. Além da batata, também foram atingidas as vendas de frutas, lácteos e farináceos, entre outros. No dia seguinte, o chanceler argentino, Hector Timerman, e o secretário de Comércio, Guillermo Moreno, viajaram a Brasília para discutir o problema e acenaram para uma flexibilização das barreiras argentinas.

As empresas instaladas na Argentina tentam envolver outros países no problema. A McCain acionou a embaixada do Canadá e a Farm Frites a da Holanda para que o governo de suas casas matrizes intercedam no governo. "A base da argumentação é que não é possível para o Brasil nesse item substituir as importações por produção local. Os consumidores brasileiros terão que comprar o produto da União Europeia", disse Calcaterra. "Para o Brasil, trata-se de trocar o fornecedor. No nosso caso, poderemos ser levados a demitir", disse Ribero.

As redes de lanchonetes instaladas no país afirmam que ainda não foram afetadas. A Burger King, no entanto, disse em nota que se as medidas de restrição da importação de batatas da Argentina se prolongarem, a cadeia vai utilizar outras fontes de fornecimento. O McDonald's também afirmou que tem estoque suficiente para não trazer prejuízos aos consumidores, mas em nota disse já estar "tomando as devidas providências para evitar desabastecimento", sem especificar o teor dessas medidas.

 

Fonte: Valor Econômico