15/07/2016 - Esse é o trio que trouxe a Wendy's de volta ao Brasil

CLIPPING - NOTÍCIAS DOS PRINCIPAIS VEÍCULOS DO PAÍS

 

Segundo a Abrasel os gastos com alimentação fora de casa devem crescer no país

 

Marcel Gholmieh, empresário de restaurantes, Marcos Silva, franqueado nos EUA, e Mike Yurick, chefe de operações da rede americana se uniram para disputar o mercado nacional de fast-food

 

O sonho do brasileiro Marcos Silva, 45 anos, filho de um pintor e de uma dona de casa que foi morar nos Estados Unidos ainda criança, se materializou ontem, dia 14. Ao lado dos sócios Marcel Gholmieh, também sócio do Jamie Oliver e do Hooters, e da própria cadeia americana, ele inaugurou ontem a primeira loja da rede Wendy´s no Brasil.

Marcos, de 45 anos, é presidente da Starboard Group, uma das maiores franqueadas da Wendy’s nos Estados Unidos.“Saí do Brasil com uma mala e agora realizo o desejo de voltar com um negócio e com possibilidade de crescer muito no país. Vamos abrir um restaurante com entrega rápida e produtos de alta qualidade”, afirma.

A Starborad, comandada por Marcos, está entre as franqueadas mais ativas da rede, operando 182 unidades em nove estados americanos.

A entrada desse brasileiro no negócio é recente. Um amigo e ex-sócio, que começou a tocar cinco lojas da rede Wendy’s, quase que por acaso, o convidou para ajudar no negócio. Ele topou. Em 2009, Marcos e o sócio tinham 63 franquias da rede. “Tivemos um crescimento incrível em cinco anos”, afirma.

 

Sobre a Wendy's

Fundada em 1969 por John T. Schuessler  e Dave Thomas, a Wendy´s é uma das cinco maiores redes americanas de lanchonetes.

Possui cerca de 5,4 mil unidades no mercado americano e 512 mundo afora - espalhadas no México, Venezuela, Porto Rico, Chile, Argentina e Japão.

 

O que levou os três sócios a investir no setor no Brasil em meio à mais grave crise econômica, quando até restaurantes tradicionais estão fechando as portas ?

“A crise assustou todo mundo. Houve uma forte desvalorização da moeda. É triste ver o que o Brasil está passando. Mas nós acreditamos no potencial da economia brasileira, especialmente nas regiões de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais”, diz Marcos.

A decisão de trazer de volta a rede Wendy’s ao Brasil foi tomada há cerca de cinco anos, período em que a economia crescia. Em nenhum momento houve intenção dos sócios de desistir do negócio. Nesse período, ocorreu todo o processo para aprovação de investimentos (não revelados), localização de pontos e contratos para a realização das parcerias. “Crise e oportunidade andam juntas. Abrir e fechar uma empresa é algo que sempre ocorre nos negócios", diz Gholmieh. "Acreditamos no nosso negócio: montamos um ‘dream team’ para operá-lo”, acrescenta o sócio.

O mercado brasileiro de food service movimenta o equivalente a US$ 100 bilhões em vendas a cada ano, em média."É tamanho suficiente para atrair uma rede consolidada como a Wendy's", de acordo com Sergio Molinari, sócio da Food Consulting, consultoria especializada em food service.

Se as projeções da Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes) se concretizarem, a rede Wendy’s tem um campo grande para explorar no país. Paulo Solmucci Júnior, presidente executivo da Abrasel, diz que os gastos com alimentação fora de casa devem crescer no Brasil -de atual um terço das despesas com alimentação para 40%, nos próximos dez anos.

O segmento de fast food, de acordo com a Abrasel, deverá ser um dos mais beneficiados, uma vez que opera com preços mais condizentes com o orçamento doméstico apertado dos brasileiros.

Em 2015, o faturamento real dos bares e restaurantes caiu 4,3% ante o ano anterior. Os mais atingidos, com queda de até 30% nas vendas, foram os restaurantes com tíquete médio entre R$ 25 e R$ 70. Já os estabelecimentos com tíquete médio abaixo de R$ 15 obtiveram aumento de 15% na receita. Os fast food estão nesta faixa de preço.

 

A OPERAÇÃO

 

 

A Wendy’s vai operar de maneira diferente dos concorrentes. Não haverá balcões para atendimento. O cliente faz o pedido para uma atendente em um minibalcão instalado no meio da loja.

Após concluído, ele recebe um ‘pager’ e retorna à mesa. Assim que o prato fica pronto, um funcionário o leva até a mesa. O tempo de atendimento previsto para entrega dos sanduíches é de 2 minutos.

A loja também vai servir café da manhã com jeitinho nacional. Vai vender pão na chapa, pão de queijo e sobremesas típicas.

 

Fonte: Diário do Comércio. Para ler a notícia na íntegra, acesse o site.