15/06/2016 - Sucessivos aumentos da carga tributária sobre bebidas frias na Bahia podem fechar 15 mil estabelecimentos e desempregar 90 mil pessoas no setor de bares e restaurantes

CLIPPING - NOTÍCIAS DOS PRINCIPAIS VEÍCULOS DO PAÍS

 

Nos últimos dois anos, imposto sobre a cerveja na Bahia já aumentou 32% e sobre os refrigerantes o reajuste foi de 18%, ambos além da inflação; Agora, governo avalia novo aumento de 10% na carga tributária que incide sobre os fabricantes de bebidas frias no Estado; Um em cada três bares e restaurantes de Salvador já estão com operação no vermelho e sem margem de lucro e sofrerão ainda mais caso medida seja aprovada

 

 

Depois de aumentar 32% o ICMS sobre cerveja e 18% o de refrigerante nos últimos dois anos, a proposta de lei 21.914/16 prevê um novo aumento de 10% da carga tributária dos fabricantes de bebidas frias no Estado da Bahia. A medida irá agravar o alarmante cenário que o setor de bares e restaurantes enfrenta no momento.

Diante da crise econômica atual, um em cada três estabelecimentos já fecha o mês com prejuízo, de acordo com a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel). “Essa medida, se aprovada, levará ao aumento de preços por parte dos fabricantes e nós teremos que repassar ao consumidor. Ou seja, teremos queda nas vendas, que pode ser o empurrão fatal para os 90 mil empregos hoje ameaçados nas empresas que estão fazendo prejuízo, em um Estado que já conta com o maior nível de desemprego do País. Sem falar no aumento da inflação”, declara Paulo Solmucci, presidente executivo da Abrasel.

A associação prevê que a medida pode ocasionar o fechamento de 15 mil estabelecimentos na Bahia. O setor de bares e restaurantes emprega 270 mil pessoas no Estado e a venda de bebidas representa parte importante do faturamento desses negócios. Com o aumento da carga tributária da cerveja e dos refrigerantes, o preço final ao consumidor deve subir, afugentando ainda mais os clientes. A lógica é simples: diante da elevação de impostos, o preço dos produtos também cresce, as vendas caem, e, consequentemente, aumenta o prejuízo e sobe o número de demissões. “Estimamos que para cada 1% de aumento no preço, teremos uma redução de 1,5% no volume de venda de cerveja”, afirma Solmucci. Ou seja, a arrecadação ainda deve cair no Estado, pois deverá haver uma retração no volume.

A medida vai sufocar ainda mais os empreendedores do nosso setor. Muitos dos donos de bares acreditam que fechar as portas é só uma questão de tempo. E, infelizmente, se esse novo aumento da carga tributária for aprovado, isso acontecerá muito em breve. Cerca de um terço dos estabelecimentos em Salvador estão operando no vermelho e sem margem do lucro, por exemplo ”, lamenta Julio Calado, presidente da Abrasel na Bahia.

Hoje, o Estado da Bahia possui mais de 45 mil bares e restaurantes. “Apesar de toda essa representatividade socioeconômica, nosso setor parece invisível aos olhos do poder público. Essa conta será paga com desemprego e fechamento de pequenos e médios negócios”, enfatiza Solmucci.