27/04/2016 - Bares e restaurantes do Recife devem se adequar a nova lei

CLIPPING - NOTÍCIAS DOS PRINCIPAIS VEÍCULOS DO PAÍS

 

 

Bares e restaurantes do Recife terão de se adequar a uma lei aprovada pela Alepe que obriga todos os estabelecimentos que comercializem comida pronta a afixarem cartazes informativos que indiquem a forma correta de aplicar a manobra de Heimlich. Essa manobra ajuda no processo de desobstrução das vias aéreas em pessoas engasgadas.

Segundo o deputado Beto Accioly (PSL-PE), autor da lei, a determinação trará benefícios aos consumidores. “Existe muito pouca informação sobre o que deve ser feito em caso de engasgo e muitas pessoas acabam morrendo em pouco tempo por falta de socorro. Em caso de acidente, os cartazes trarão informações e ajudarão os clientes dos estabelecimentos a prestar os primeiros socorros”, explica. Em relação à eficácia da norma, Accioly reconhece sua inaplicabilidade no momento. “Sei que a lei ainda não está sendo seguida pelos restaurantes e precisaremos repensar sua fiscalização”, analisa.

Para André Araújo, presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes em Pernambuco (Abrasel), a determinação da Alepe é importante para o estado. “Essa é uma lei bastante comum nos Estados Unidos e é muito adequada a nossa realidade, pois está relacionada ao cuidado que os estabelecimentos devem ter com os seus clientes”, afirma. Araújo adianta que deverá viabilizar treinamentos para seus associados. “Os cartazes não são suficientes. Estamos com a proposta de promover um encontro entre nossos parceiros e os bombeiros para simulações e explicações práticas”, pontua.

Gerente de um restaurante no centro do Recife, Ribamar de Lira, afirma que ainda não tinha conhecimento da nova lei, mas diz que seguirá as normas. “É importante, porque caso aconteça de alguém se engasgar e não tiver ninguém preparado, sem o cartaz, podem fazer o procedimento de forma inadequada e causar problemas”, avalia.

Já para alguns consumidores, a lei não resolve o problema. “Os garçons deveriam ter alguma capacitação especial, pois o consumidor pode se assustar com a situação e acabar atrapalhando e até piorando o estado da pessoa engasgada”, opina a arquiteta Cecília Boeckmann, frequentadora de restaurantes da capital pernambucana.

 

Fonte: Folha Pernambuco *Para ler na íntegra, visite o site