05/04/2016 - Divisão de tarefas e papéis claros protegem amizade entre sócios

CLIPPING - NOTÍCIAS DOS PRINCIPAIS VEÍCULOS DO PAÍS

 

Respeitar os limites e dividir as responsabilidades com clareza são fundamentais para quem tem um amigo como sócio de negócio.

 

Rafael Cichini, 32, da Just Digital, que desenvolve conteúdo e presta consultoria na área de tecnologia, perdeu a amizade de um de seus parceiros na primeira empresa que fundou, em 2000.

"O clima ficou insuportável ao ponto de termos que ficar em salas separadas antes de dissolvermos a sociedade", conta ele.

Quando Cichini convidou um amigo de colégio e outro do clube que frequentava para empreenderem juntos no ramo de criação de websites, a ideia parecia perfeita.

Mas, aos poucos, o desgaste com as dificuldades da empresa, que demorou a engrenar, complicaram a relação.

Na visão dele, o maior problema é na hora de cobrar resultados.

"Como há uma relação fora da empresa, as pessoas tendem a sentir que a cobrança é pessoal", diz.

O fracasso não impediu Cichini de tentar uma nova empreitada com amigos.

Dessa vez, porém, a relação de amizade é mais recente e menos intensa, o que ele avalia como benéfico para o dia a dia da empresa.

Andrea Seri e Marcos Farias foram colegas de Cichini em uma outra companhia antes de se tornarem sócios dele, em 2008.

Três anos depois, Toshiyuke Sakato, que também havia trabalhado com o trio anteriormente, se tornou o quarto sócio da companhia.

"Manter um diálogo constante é a melhor maneira de fazer dar certo", diz.

Pedro Hermano, 26, e Gabriel Santacreu, 27, sócios na Agência 242, dialogam, mas nem sempre pacificamente.

"Às vezes, a gente estoura um com o outro como não faríamos com outras pessoas", reconhece Hermano, amigo de infância de Santacreu e seu sócio há quatro meses.

Por outro lado, diz, as brigas costumam durar menos do que entre sócios sem um histórico de amizade.

"E quando a gente está em um momento complicado, o suporte que nos damos é mais forte", afirma Hermano.

 

DIVIDIR

Outra estratégia fundamental para amigos e sócios é saber dividir as tarefas na empresa e, mais importante, respeitar a divisão.

Essa é a tática dos seis amigos do grupo de 27 bares e restaurantes Cia.Tradicional.

"Todos respeitam a posição e a liderança do outro no papel definido, mesmo quando há discordâncias", diz um dos sócios Ricardo Garrido, 46.

Ele, Edgard Bueno da Costa, 54, e Sergio Bueno de Camargo, 46, se tornaram amigos quando trabalhavam na área de desenvolvimento de produtos da Unilever.

Há 20 anos, eles fundaram a Cia.Tradicional, que nasceu com o bar Original, na Vila Madalena, em São Paulo.

Com o sucesso, chamaram mais três amigos: Fernando Grinberg, Mario Gorski e André Lima.

As obrigações de cada um estão explicitadas em contrato assinado no quarto ano de vida da empresa.

"Nele, tratamos também de questões como sucessão, saída e morte eventual de um dos sócios. É bom ter, mas está lá na gaveta quieto e tomara que a gente nunca tenha que usar", diz Garrido.

 

GERAÇÃO Y

Empreendimentos entre amigos se tornaram mais comuns na geração Y (nascidos nas décadas de 1980 e 1990), que dá maior valor aos benefícios dos negócios coletivos, afirma Sidnei Oliveira, autor de livros sobre esses jovens.

"Os novos empreendedores não consideram agir ou pensar sozinhos nos negócios. Se o parceiro for um amigo, ainda melhor, já que contribui na busca por felicidade na vida profissional", diz Oliveira.

Ele ressalta, contudo, que as relações empresariais se tornaram mais voláteis e informais, o que pode se tornar um risco para o sucesso.

Nas gerações anteriores, conta, se pensava muito antes de investir para não comprometer a amizade.

"Hoje, não há pudor de se desfazer a relação caso a amizade amargue ou o negócio dê errado por disputas", afirma o autor.

Para evitar que a empresa fracasse por desentendimentos, é crucial definir os papéis dos sócios assim que o negócio for criado, diz o professor do MBA em Empreendedorismo e Desenvolvimento da FGV, Marcus Quintella.

"Divisões como quem cuida do operacional e quem cuida do financeiro devem ser estabelecidas por escrito", diz Quintella.

Um contrato social que preveja condições de saída da empresa por um dos sócios também é imprescindível caso a amizade não vingue e um dos envolvidos no negócio desista.

"Por questão de segurança financeira e jurídica, a parte contratual precisa abordar sem melindres várias situações, desde a desistência por briga até a morte de um dos sócios", afirma o professor.

Os dois fundadores da empresa de criação de canais de vídeos corporativos Netshow.me definiram as tarefas de cada um com base nas suas expertises.

Juntos há dois anos, Daniel Arcoverde e Rafael Belmonte, ambos de 26 anos, eram amigos do curso de administração na FGV antes de serem sócios.

"Até pela diferença de personalidades, eu cuido da gestão financeira e de produto", diz Arcoverde.

Belmonte, "mais comunicativo e vendedor", cuida das relações externas com os investidores.


Fonte: Folha de São Paulo