03/05/12 - A multiplicação das cervejas especiais

Existem hoje nos bares, restaurantes, supermercados e lojas especializadas da cidade 550 rótulos da bebida

Um desavisado que confere as ofertas de cerveja em São Paulo nos dias de hoje pode até achar que tomou umas a mais. A loura (e às vezes ruiva, morena...) deixou de ser ofertada em apenas meia dúzia de formatos e se multiplicou em centenas de versões. Esse fenômeno vem sendo fermentado pela proliferação de pequenas produtoras nacionais e pela abertura cada vez maior do setor às novidades importadas.

A combinação de tantas forças etílicas inundou a cidade com opções premium da bebida. Elas são conhecidas pelos preços mais salgados (a partir de 12 reais por litro) e por trazer uma enorme variedade de receitas (já ouviu falar de algumas que incluem mel ou pimenta na fórmula?). Das 550 disponíveis atualmente na metrópole, 200 desembarcaram por aqui em 2011. No ano passado, os paulistanos saborearam 8,6 milhões de litros de cervejas especiais, mais que o dobro do total registrado em 2010.

Embora tenha ainda um tamanho modesto (2,2% do total), o segmento dos rótulos especiais cresce num ritmo acima da média e sedimentou entre os consumidores o prazer de redescobrir o irresistível líquido. Há outras boas novidades, como duas grandes feiras especializadas (Brasil Brau e Beer Experience) e quatro clubes por assinatura que surgiram na cidade. Nesses serviços, os sócios pagam uma taxa mensal entre 40 e 100 reais para ter o direito de receber em casa algumas garrafas e latinhas.

 

Cervejas especiais: ingredientes exóticos

Água, malte e lúpulo formam a matéria-prima básica da cerveja, mas nada impede que essa receita seja incrementada. A italiana Mastri Birrai Umbri Cotta 37, por exemplo, ganhou a adição de ervilha para ter o processo de fermentação acelerado. A mineira Falke investiu no sabor adocicado da jabuticaba para equilibrar a acidez de seu produto. Durante a fabricação da bebida, a casca da fruta libera uma substância que interfere no sabor. Por isso, 60% da produção é descartada para garantir a qualidade final. Outra novidade são as versões.

 

Cervejas especiais: grande estilo

Vendida em garrafa com rolha, a encorpada mineira Wäls Brut é uma das três cervejas produzidas no país pelo método champenoise — as outras são a Lust e a Lust Prestige, ambas da catarinense Eisenbahn —, que deixa o líquido com jeitão de espumante. “Os brasileiros são entusiastas desse estilo desde que a belga Deus fez sucesso por aqui, há alguns anos”, afirma André Cancegliero, organizador da feira Beer Experience. Os preços mais altos (a partir de 90 reais a garrafa) são justificados pelo complicado processo de produção.

 

Cervejas especiais: dias frios

Esqueça os números negativos no visor da geladeira: para aproveitar o sabor oferecido por essas bebidas, o ideal é manter a temperatura da garrafa em torno dos 18 graus, como se faz para o vinho tinto. “Se o líquido estiver muito gelado, vai afetar a sensibilidade das papilas gustativas”, explica o coordenador do curso de sommelier de cerveja da Associação Brasileira de Sommeliers, Estácio Rodrigues. O alto teor alcoólico desses rótulos resulta em uma sensação de calor ideal para o inverno.

 

Fonte: Revista Veja São Paulo