29/01/2016 - Empresários apostam em união para crescer

CLIPPING - NOTÍCIAS DOS PRINCIPAIS VEÍCULOS DO PAÍS

 

A dificuldade econômica do País está fazendo com que as empresas invistam em estrutura e atendimento

 

 

O atual período econômico trouxe um ponto benéfico para o setor de gastronomia do Estado: a união entre as empresas."O ano passado foi complicado e problemático, mas uniu todo mundo", afirmou o presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes ( Abrasel-CE), Rodolphe Trindade, durante o almoço da diretoria da entidade. O período está sendo válido para as empresas se reestruturarem e aumentarem a qualidade do atendimento. A entidade 'briga' por questões antigas como o trabalho intermitente, alvarás e licenças.

"Estamos num plano de voo de recessão. O mercado está aberto e tem muito trabalho pela frente, é focar e ir adiante", encoraja Rodolphe. Ele informa que o empresário está ciente que o faturamento será menor em 2016 durante o período da baixa estação, entre março a junho, 'será penoso'.

Entretanto, existem algumas oportunidades que podem ser trabalhados pelo setor, como eventos e atividades relacionadas as Olimpíadas, pois estará frio no sudeste e os turistas podem querer aproveitar as belezas naturais e o sol do Ceará.

 

Turismo internacional

Em relação a vinda dos estrangeiros no segundo semestre, o presidente prefere esperar para ver o que vai acontecer. "Um fator negativo é a divulgação da pesquisa no Nordeste sobre a violência. Europeu leva muito em consideração a segurança", diz.

Com a possível instalação do Hubda Tam no Ceará, Rodolphe avalia que será possível, de fato, iniciar um turismo internacional no Estado. Após conversas com pessoas da própria companhia, o presidente comentou que eles estão otimistas que o Hub venha mesmo para o Ceará.

O turismo internacional hoje é muito pontual com a visita de alguns estrangeiros que vão apenas para as praias de Jericoacoara e Caboa Quebrada.

 

Foco nos colaboradores

A proprietária do Artesanal Restaurante, localizado no Aquaville Resort, em Aquiraz, Cristina Wushuh, analisa que este ano vai exigir muita criatividade dos empresários do setor da gastronomia para passar por este perído com menor prejuízo. "EU creio que seja apenas uma fase". O foco principal do seu negócio está sendo em treinamento e serviço e no quadro de funcionários, "não em relação a demissão, mas para que os colaboradores se tornem polivalentes".

 

Fora do lar

Segundo dados da Abrasel-CE, o consumo per capita de quem comia fora de casa e gastava entre R$20 a R$ 30 diminuiu entre 20% a 30% desde o ano passado. E os restaurantes e bares que tinham ticket médio de R$8 ou R$10 tiveram um aumento no faturamento entre 15% e 20%. "Em vez da pessoa comer num momento de socialização ou lazer ela está comendo por necessidade", analisa Rodolphe.

 

Fonte: Diário do Nordeste *Para ler a matéria na íntegra, acesse o site.