11/01/2016 - Seguro pode evitar maiores prejuízos

CLIPPING - NOTÍCIAS DOS PRINCIPAIS VEÍCULOS DO PAÍS

 

O Seguro de Responsabilidade Civil (RC) é uma opção para os gestores minimizarem impactos dos danos causados a terceiros

 

 

Abrir um negócio exige que o empreendedor assuma os cuidados sobre a integridade física e material das pessoas em seu estabelecimento. Desde pequenos incidentes, até ocorrências mais graves, são indenizáveis pelo Seguro de Responsabilidade Civil (RC), um tipo de proteção voltada especialmente para cobrir gastos relacionados a danos causados a terceiros. Neste grupo, estão incluídos clientes, funcionários, prestadores de serviços e fornecedores que estiverem no recinto.

Embora no Brasil contratar este tipo de seguro não seja obrigatório para bares e restaurantes, ele pode evitar muitas dores de cabeça para os empresários. Acidentes sérios, que envolvam lesões corporais por quedas, queimaduras, dentre outras situações, podem gerar encargos comprometedores para a saúde financeira de um empreendimento. “O RC deve ser integrante à estratégia para proteger o patrimônio do empresário, investidor e proprietário”, afirma Marcio Guerrero, presidente da Comissão de Responsabilidade Civil da Federação Nacional de Seguros Nacionais (FenSeg).

Para o setor, formado por estabelecimentos onde há intenso fluxo de pessoas, objetos e alimentos, há uma modalidade específica do seguro, denominada Responsabilidade Civil para Bares e Restaurantes. “Recomenda-se que o empresário procure empresas especializadas em responsabilidade civil para sanar dúvidas e encontrar algo especializado às suas atividades específicas. O que o segurado precisa evitar é a compra do seguro de RC dentro de uma apólice de seguro empresarial, pois existem algumas limitações de coberturas que só são descobertas posteriormente”, salienta Guerrero.

Carlos Barros de Moura, proprietário da empresa especializada em corretagem de seguros Barros de Moura & Associados destaca a importância do seguro de responsabilidade civil para o setor. “A grande variedade de serviços oferecidos por bares e restaurantes, a valorização dos direitos dos consumidores, a ampla atividade legislativa e de fiscalização, tornam real o risco empresarial enfrentado pelos estabelecimentos”.

Sem citar nomes, devido ao sigilo contratual, ele conta uma situação ocorrida em um restaurante paulistano. Após um cliente escorregar no chão sujo de cerveja, o dono do estabelecimento foi obrigado a pagar R$18 mil em honorários médicos e R$ 110 mil em indenização por danos morais e estéticos. Por possuir uma apólice adequada, pela qual paga R$ 10 mil anuais, o empresário evitou maiores transtornos. “A contratação é extremamente recomendada para a economia financeira e também para o gerenciamento da imagem do estabelecimento, que tem a preocupação de zelar pela segurança de seus clientes”, diz.

 

Há seguros obrigatórios

Apesar do Seguro de Responsabilidade Civil, que cobre diversos tipos de acidentes, não ser obrigatório, a lei exige de empresários a contratação de alguns seguros que protejam indivíduos. “Um dos mais comuns é o que protege o trabalhador contra acidente de trabalho”, diz Percival Maricato, advogado e presidente da Abrasel em São Paulo. Ele destaca ainda que em casos de locação, seguros contra incêndios podem ser exigidos pelo locador. “Muitos restaurantes se obrigam no contrato a segurá-lo e não o fazem. Se o prédio pegar fogo, muito provavelmente serão condenados a indenizar o proprietário, por todo o valor perdido”.

 

Fonte: Revista Bares & Restaurantes nº 107 *Matéria na íntegra disponível na versão impressa