10/12/2015 - Setor de alimentação deixa de contratar quase mil no Amazonas

CLIPPING - NOTÍCIAS DOS PRINCIPAIS VEÍCULOS DO PAÍS

 

Mercado de trabalho esfria no período que apresentava maior movimento

 

O setor de alimentação de Manaus vai deixar de contratar cerca de 950 temporários, neste fim de ano, com o agravamento da crise que avança para o setor de serviços. Para este período, estão previstas apenas cerca de 50 contratações entre as 300 empresas que fazem parte da Associação Brasileira de Bares & Restaurantes no Amazonas (Abrasel). Em média, o segmento contratava em torno de 1 mil trabalhadores nesta época do ano.

“Nos anos anteriores, 80% dos associados contratava temporários para esse período, que dava em torno de mil pessoas de mão de obra extra. Hoje só 5% disseram que vão contratar, que dá apenas 50 temporários”, disse a diretora institucional da Associação Brasileira de Bares & Restaurantes no Amazonas (Abrasel), Lilian Guedes.

A diretora explicou ainda que, normalmente, o setor contratava em torno de 20% a mais de temporários para atender ao público no final de ano. “Mas este ano, o crescimento será apenas de 5% a mais na mão de obra extra”, ressaltou. Segundo Guedes, dezembro é considerado o melhor mês do ano para o setor. “Mas agora, não temos as perspectivas no aumento do faturamento de 30%. Por isso, as contratações vão ser bem menores”, disse.

De acordo com a diretora institucional, o segmento espera que, dezembro deste ano, seja equivalente a um mês bom nas vendas como maio, devido ao Dia das Mães, ou junho quando ocorre o Dia dos Namorados. “A grande vantagem do nosso setor é que demitimos poucos, mas por outro lado, não houve contratações significativas”, disse.

Os segmentos mais afetados com a crise, segundo a dirigente, são os estabelecimentos que servem à la carte, que exigem pessoal mais qualificado e aqueles que funcionam no horário noturno. “Os restaurantes ou bares onde o cliente gasta um ticket médio de até R$ 30, o nível de vendas está se mantendo. Mas, aqueles em que se gasta acima de R$ 50, as vendas caíram até 50%”, explicou Lilian.

 

Serviços: Restaurantes fecham as portas em Manaus

Dos 300 associados da Abrasel, quatro deles fecharam negócios nesse primeiro trimestre desse ano. “E cinco ou seis restaurantes estão anunciando fechamento. Quando o setor de alimentação sente essa crise é sinal de que os outros segmentos estão muito ruins”, disse.

Com receio de perder os clientes, os estabelecimentos de alimentação se esforçam para não repassar os aumentos sucessivos dos custos para o consumidor. “Com essa inflação, encolheu muito a nossa margem de lucro e a gente não consegue passar tudo para os clientes”, disse.

Uma saída para manter as vendas, segundo Guedes, são as promoções de combo, ou seja, na compra do alimento, ganha-se a bebida. Medida adotada, que vem sendo bem comum, entre os estabelecimentos. “Mas isso é só para não perder os clientes e manter as vendas. Não se fala aí em crescimento”, ressaltou.

 

Vagas

As áreas que mais tem vagas de emprego para esse segmento, segundo a Abrasel, é para auxiliares de cozinha, pizzaiolo, sushi-man, garçom e cumim. “Tem faculdade formando chef, mas estamos precisando de quem faz o serviço mais pesado”, disse a diretora institucional da Abrasel, acrescentando que o segmento de alimentação é o único que ainda emprega tendo pessoal com apenas o Ensino Fundamental. “É também o que mais dá chance do primeiro emprego”, concluiu.

 

Fonte: D24AM