21/10/2015 - Reforço nas vendas: chegou a hora dos temporários

CLIPPING - NOTÍCIAS DOS PRINCIPAIS VEÍCULOS DO PAÍS

 

Embora a demanda por funcionários pontuais seja menor do que em anos anteriores, há mais gente qualificada no mercado, o que é vantajoso para as empresas. Além da presença de panetones nas prateleiras dos supermercados, outro fator evidencia que as festividades de fim de ano estão próximas: a contração de trabalhadores temporários.

Eles são responsáveis por ajudar o comércio e a indústria a suprir a maior demanda dos últimos meses do ano. São vendedores, repositores, estoquistas, auxiliares de serviços gerais, operadores de máquinas, entre outras funções.

Segundo estimativas da Associação Brasileira do Trabalho Temporário (Assertem), serão cerca de 130 mil contratações em dezembro – e 490 mil no acumulado entre outubro e janeiro – em todo território nacional.

Nas melhores das hipóteses, a quantidade deve ser similar à do ano passado. A retração na economia brasileira deve causar impacto negativo e empurrar para baixo o movimento no comércio – o que também afetaria o número de contratações.

“A indústria, que contrata temporários a partir de agosto, deve recuo de 15% na oferta dessas vagas em 2015”, afirma Marcos Abreu, presidente da Assertem e diretor da Employer, consultoria em recrutamento e seleção de temporários. “Provavelmente, o varejo terá uma queda similar.”

Um levantamento realizado pelo SPC Brasil junto à Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas, que consultou 1.168 empresas, constatou que 88% dos empresários não pretendem contratar temporários para o fim do ano.

Se, por um lado, há menos vagas no mercado, de outro há mais trabalhadores disputando empregos, uma vez que muitos funcionários foram demitidas recentemente. Em agosto de 2014, a taxa de desemprego era de 5%. No mesmo período de 2015, 7,6%.

A concorrência acirrada entre os candidatos é vantajosa para as empresas. Isso porque a oferta de gente qualificada e experiente – profissionais de carreira que foram demitidos – tende a aumentar.

“Será uma chance de as empresas efetivarem os temporários que realizarem um bom trabalho no lugar dos permanentes improdutivos”, afirma Abreu.

 

Fonte: Diário do Comércio de SP - via site Abras