04/04/12 - Giraffas se desdobra para ir além da hora do almoço

Rede planeja faturar R$ 720 milhões em 2012 e quer ser mais atrativa nas praças de alimentação dos shopping centers

Quando chegou aos 30 anos, ela se viu madura, com trajetória consolidada, mas ainda com longo e desafiador caminho pela frente. A rede de fast-food Giraffas, criada em 1981, completou três décadas de existência prevendo crescimento. Porém esbarrou na desaceleração do segundo semestre de 2011.

A expectativa de faturar R$ 620 milhões ficou em R$ 605 milhões. O plano de abrir 50 novos restaurantes se realizou em 45 unidades. Resultado: a empresa, que costumava crescer 25% nos últimos anos, com exceção do crítico 2008, prevê para 2012 expansão de 19%, com faturamento de R$ 720 milhões. "Houve uma diferença em 2011, mas nada que a gente não busque superar agora", afirma Cláudio Miccieli, diretor de apoio à gestão da rede de restaurantes do Giraffas ao Brasil Econômico.

Até ano passado, ele era diretor executivo da cadeia. "O desaquecimento no segundo semestre foi o que atrapalhou, como fez no setor todo. O importante para a gente foi crescer acima da média do segmento, que ficou em 6%". Entre 1º de janeiro e 28 de março deste ano, a rede diz ter registrado faturamento de R$ 155 milhões, 8% a mais que no mesmo período do ano passado.

Mas a falta de fôlego fica visível quando se compara a presença do Giraffas com a de concorrentes diretos. Bob's, Subway e McDonald's lideram, como cadeias de fast-food, o ranking da Associação Brasileira de Franchising (ABF), com 832, 648 e 626 franquias no país, respectivamente.

O Giraffas terminou 2011 com 368 restaurantes, incluindo um no Paraguai e outro em Miami, nos EUA - onde mais quatro lojas devem ser lançadas até o fim do ano, a primeira delas ainda este mês. Em 2012, a rede quer inaugurar 66 restaurantes e 42 quiosques de sobremesas. "Nosso público é diferente do dessas três empresas, varia muito de acordo com o horário da refeição", afirma Miccieli. "Se você chegar ao meio-dia numa praça de alimentação, vê o Giraffas com muito movimento, e os outros, sem. Mais à noite, isso se inverte, e é isso que a gente tem de mudar, até para tornar mais conhecida a nova linha de sanduíches que lançaremos no segundo semestre".

Os lanches correspondem a 35% do consumo no Giraffas, contra 65% dos pratos convencionais. Para alavancar o consumo de sanduíches, a empresa fez uma promoção de um mês que baixou o preço dos campeões de venda (Brutus e Galo de Briga). Isso fez as vendas dos dois crescerem 153%.

 

Fonte: Brasil Econômico