26/03/2015 - Policiais se disfarçam em bares para blitz da Lei Seca, no ES

CLIPPING - NOTÍCIAS DOS PRINCIPAIS VEÍCULOS DO PAÍS

 

Eles informam aos colegas detalhes sobre o motorista, que é autuado. Estratégia começou na intenção de punir quem escapa da fiscalização

 

Policiais da Grande Vitória adotaram uma nova forma de abordar motoristas que dirigem alcoolizados. Eles saem disfarçados por bares e restaurantes, e informam aos colegas, que estão nos carros da polícia, características do veículo, marca, modelo e a placa. O motorista é convidado a fazer o teste do bafômetro e é autuado.

A estratégia começou em 2014 com a intenção de punir também os motoristas que escapam da fiscalização, informando, pelas redes sociais, os locais das blitze. Com esse tipo de abordagem, mais de 600 condutores já foram autuados por embriaguez ao volante.

No dia 17 de março, a reportagem acompanhou as equipes policiais e os observou entre clientes em bares da Grande Vitória. Bem perto do bar, onde os policiais ficam de olho em quem bebe e depois vai dirigir, alguns carros da polícia ficam parados, discretamente, em ruas laterais, só esperando para abordar os motoristas infratores.

Os policiais que estão nos carros recebem uma mensagem de celular ou uma ligação. As informações são dos militares que estão lá no bar que passam as características do veículo, marca, modelo e a placa para serem abordados.

Quando o motorista identificado sai do bar, ele logo é parado, sai do carro e é convidado a fazer o bafômetro. O vendedor Marcelo Dias assoprou o bafômetro e ficou comprovado que ele ingeriu bebida alcoólica. “Só tomei uma latinha de cerveja", disse Dias.

Outros motoristas admitem que beberam, mas se recusam a fazer o bafômetro. “Não vou querer não, não vou produzir prova contra mim mesmo”, explicou o vendedor Antônio Guimarães.

Mesmo assim, Guimarães teve que entregar a carteira, foi multado em R$ 1.915 reais e teve que chamar alguém para buscar o carro. Esta é a mesma punição para quem sopra o bafômetro e dá mais do que o tolerado.

O supervisor de vendas Rudilei Elmer também estava em um bar e caiu na fiscalização. Além da punição administrativa, ele também teve que ir para a delegacia. “O resultado foi acima do limite permitido. O senhor está detido e vai ser entregue ao delegado para medidas cabíveis, porque já envolve também parte criminal por esse resultado aqui”, diz o policial ao motorista.

 

Abordagem

Os motoristas abordados na blitz apoiaram a ação da polícia. "Eu não sabia. Interessante isso aí e eu acho positivo. Eu tomei um chopp, mas pode ter gente que está ali tomando 10, 20 chopps e sai dali sem condições de dirigir", disse um dos motoristas.

A polícia mantém as blitz tradicionais. A ação é um complemento, principalmente para que os motoristas não se comuniquem através das redes sociais e fujam da fiscalização. Todas as noites tem policial disfarçado de olho em bares e restaurantes da Grande Vitória.

"As pessoas que querem beber e dirigir tem que ficar com medo dessa vigilância, porque a gente vai continuar com ela. A intenção é que essas pessoas se não for pela educação, que tenham medo da fiscalização", disse um policial.

 

Fonte: G1