23/02/2015 - 75% dos donos de restaurantes e 82% do setor hoteleiro estão satisfeitos com movimento de turistas em SC

CLIPPING - NOTÍCIAS DOS PRINCIPAIS VEÍCULOS DO PAÍS

 

Se o movimento foi satisfatório, levantamentos indicam que o mesmo não pode se dizer de um velho problema: mão de obra

 

Depois dos graves problemas no fornecimento de água e energia na temporada de verão passada, os destinos mais procurados de Santa Catarina aprenderam a lição e garantiram um período tranquilo e rentável em 2015. Essa é a principal interpretação de lideranças do setor, de acordo com pesquisas da Federação do Comércio (Fecomércio-SC) e da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes em Santa Catarina (Abrasel-SC).

Entre os números positivos, destaca-se a avaliação da temporada como "boa" ou "excelente" por 75% dos donos de restaurantes ouvidos pela Abrasel e por 82% dos hoteleiros entrevistados pela Fecomércio.

Os dados, que mostram a satisfação do empresariado com o movimento turístico, foram obtidos em primeira mão pelo Diário Catarinense e serão divulgados pelas entidades a partir da próxima semana.

— Continuam existindo dificuldades na infraestrutura, mas os problemas com água e energia elétrica foram em escala muito menor do que em 2014 — pontua o presidente da Abrasel, Fábio Queiroz.

Na análise do presidente da Santa Catarina Turismo (Santur), Valdir Walendowski, a temporada passada foi um marco para o Estado. Ele pondera que, depois de tantas dificuldades, houve uma mobilização para amenizar sensivelmente o problema em 2015 e investir nas melhorias de forma constante.

— Hoje, há um planejamento para que essas situações com água e luz avancem mais, principalmente envolvendo a tecnologia empregada — explica.

 

Mão de obra é problema

Se o movimento de visitantes foi satisfatório, os levantamentos indicam que o mesmo não pode se dizer de um velho problema: a mão de obra. Além de 26% dos empresários não ter conseguido contratar número suficiente de funcionários, 54% dessas contratações teve qualidade abaixo do esperado.

— Há muitos cursos de qualificação abertos no Estado, mas mesmo gratuitos não chegam a fechar turmas. Falta interesse pela qualificação — afirma Walendowski.

Presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Turismo da Grande Florianópolis (Sitratuh), Anésio Schneider reconhece as dificuldades, mas afirma que os baixos salários e as jornadas excessivas afastam os candidatos a empregos no setor:

— O turismo está em crescimento, mas o trabalhador nunca é valorizado. Então ele não se qualifica.

A pesquisa da Fecomércio mostra que 51% dos comerciários tiveram um movimento de clientes "bom" ou "excelente" neste verão. Mas o que mais chama atenção no levantamento é o gasto médio no setor. O valor ficou em R$ 480,73 no Estado, contra R$ 318,57 em 2014. O maior crescimento foi o registrado em Balneário Camboriú, no Litoral Norte, com salto de R$ 458,51 para R$ 829,18 de um ano para o outro.

Em Florianópolis, o gasto médio passou de R$ 362,51 para R$ 375,06 por turista. Em Imbituba, no Sul do Estado, foi de R$ 358,85 para R$ 411,54 e em São Francisco do Sul, no Norte catarinense, de R$ 187,35 para R$ 369,37.

Os gastos se refletem também no movimento do setor de serviços nas regiões analisadas: 50,3% dos estabelecimentos comerciais entrevistados contrataram funcionários extras para o verão. A Capital teve a maior média de contratações, com 6,2 empregados a mais.

 

Mais visitante, menos consumo

Já no consumo em geral, a Abrasel e a Santur sinalizam que o turista gastou menos neste ano, embora ainda não existam estatísticas precisas sobre o assunto. O prejuízo, porém, foi compensado com um número maior de visitantes.

A lógica é que, com a economia brasileira enfrentando turbulências, o turista deixa de viajar ao exterior e opta pelos destinos nacionais, gastando menos.

Em Florianópolis, por exemplo, conforme dados da Fecomércio adiantados ao DC, o gasto médio com alimentação caiu de R$ 866,27 em 2014 para R$ 601,28 em 2015. No transporte a situação é semelhante, indo de R$ 764,05 para R$ 494,35 na comparação com o mesmo período de 2014.

 

Fonte: Diário Catarinense