12/02/2015 - Setor de serviços teme 'seca' no Carnaval carioca

CLIPPING - NOTÍCIAS DOS PRINCIPAIS VEÍCULOS DO PAÍS

 

Estabelecimentos se preparam para situação difícil

 

Hotéis, bares e restaurantes do Rio estão em alerta para falta de água durante o Carnaval. Tanto a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Rio (ABIH-RJ) quanto o Sindicato de Hotéis e Restaurantes (SindRio) enviaram comunicados para que seus associados economizem água durante o período de estiagem. A ordem é "estar preparado frente a uma situação de falta d'água", segundo a ABIH. Governo do Estado e a prefeitura da capital negam possibilidade de racionamento durante o evento.

Na contramão da indústria hoteleira, alguns dos blocos mais tradicionais do Rio ignoraram a seca e decidiram manter o tradicional banho de mangueira para refrescar os foliões. O Barbas - criado pelo filho do escritor Nelson Rodrigues - e o Escravos da Mauá contrataram carros-pipa, com 20 mil litros cada.

Segundo a presidente da Associação dos Blocos de Carnaval da Zona Sul, Centro e Santa Teresa (Sebastiana), Rita Fernandes, "cada bloco teve autonomia para escolher se contratava ou não o carro-pipa. O Barbas, que tem 31 anos de tradição, quis prevenir qualquer problema por causa do calor".

Quase um milhão de pessoas deve visitar a capital fluminense durante os dias de Carnaval e movimentar quase R$ 2 bilhões, segundo a Secretaria de Turismo do Estado. Júlio César Antunes, diretor do Comitê Guandu - sistema que abastece a maior parte da região metropolitana do Rio -, afirmou que apenas em caso de "blecaute" haverá falta d'água no Carnaval. Segundo o diretor do Guandu, "o sistema se comporta da mesma forma no restante do verão. Há mais turistas na cidade, mas eles se dividem entre todas as regiões".

A Prefeitura do Rio prepara um pacote com ações para economizar água, que deve ser divulgado nesta semana, e pode afetar as operações da Companhia de Limpeza Urbana. A Comlurb, porém, garante a limpeza das ruas, porque os garis usam água de reúso para o trabalho.

Em nota, a Cedae, que abastece a região metropolitana, também negou qualquer problema e informou que "a agenda do Carnaval não influi no que a empresa já vem fazendo neste verão".

 

 

Fonte: Valor Econômico Online *Matéria na íntegra disponível no site