27/11/2014 - Müller, dona da 51, busca novos públicos

CLIPPING - NOTÍCIAS DOS PRINCIPAIS VEÍCULOS DO PAÍS

 

Companhia diversifica linhas de cachaça e reformula embalagens

 

A Companhia Müller de Bebidas, dona da Cachaça 51 e maior empresa do setor, diversifica sua operação para atrair novos consumidores. A empresa ampliou a oferta de misturas de cachaça com frutas e outros ingredientes e reformulou as embalagens da 51. Para o ano de 2015, a companhia tem como meta reforçar a atuação na área de vodca, com a marca Polak, e dar início ao desenvolvimento de um novo destilado para ir a mercado possivelmente em 2016.

"É interesse da companhia desenvolver bebidas em outras categorias de destilados, mas acredito que a Müller em 2015 ainda vai se concentrar no fortalecimento da Polak", disse Ricardo Gonçalves, presidente da Companhia Müller. O executivo acrescentou que o volume de vendas da vodca é pequeno em comparação à cachaça, mas a bebida é mais rentável que a aguardente. Gonçalves descartou, no entanto, o desenvolvimento de misturas à base de vodca (ice). "A companhia tem uma linha forte ice com a 51 e não é interesse canibalizar esse segmento", disse.

A linha 51 Ice foi desenvolvida com o objetivo de alcançar um público mais jovem (com menos de 30 anos de idade) e que não tem o costume de tomar a cachaça pura, mas aprecia destilados e misturas. A Companhia Müller desenvolve variedades específicas para vendas no verão e no inverno.

No segmento de bebidas ice, a marca 51 responde por mais de 40% do volume de vendas do mercado. Gonçalves disse que essa linha responde por aproximadamente um quarto da receita anual da Müller e tem crescido dois dígitos por ano, acima da média das vendas de cachaça.

A Müller também ampliou a produção de cachaças premium, para tentar atrair consumidores das classes A e B. Gonçalves destaca a linha Reserva 51, lançada em 2009 e que durante anos pertenceu à reserva pessoal do dono da empresa, Guilherme Müller Filho. A cachaça envelhecida em tonéis de carvalho é vendida em média a R$ 150 e, segundo o executivo, tem uma participação importante entre consumidores das classes A e B. A principal linha da Müller, no entanto, é a marca 51, que tem como principais clientes consumidores das classe C e D e é vendida a preços na faixa de R$ 8 por garrafa de 1 litro.

Para este ano, a companhia como um todo tem previsão de crescer 4% em vendas, chegando a um faturamento de aproximadamente R$ 650 milhões. No ano passado, de acordo com balanço divulgado em maio, a companhia registrou receita bruta de R$ 621,6 milhões, uma alta de 5,2% em relação ao ano anterior. A receita líquida cresceu 7,5%, para R$ 425,7 milhões. O lucro líquido foi de R$ 58,4 milhões em 2013, aumento de 45,2%. A Müller não divulga projeção de lucro para este ano.

O ritmo de crescimento fica abaixo da média do mercado. De acordo com dados da Nielsen, o setor neste ano cresce 5,9% em volume e 14% em receita, para R$ 6,6 bilhões, impulsionado pelo aumento da oferta de linhas segmentadas e pelas vendas em hipermercados e supermercados. Estima-se que o país tenha 4 mil marcas de cachaça produzidas por 2 mil empresas.

No segmento de aguardente, a Müller ampliou a distribuição da 51 com novas logomarcas, desenvolvidas pela britânica Claessens International. Gonçalves disse que a distribuição das novas embalagens em mais de 1 milhão de pontos de venda é demorada e deve ser concluída no início de 2015. Ele disse, no entanto, que desde que as novas embalagens chegaram ao mercado, em maio, as vendas têm sido de 4% a 5% superiores ao estimado pela companhia para o ano.

Fundada em 1959, a Müller lidera o mercado de cachaça, com 29% das vendas do setor, segundo dados da Nielsen. A companhia lidera as vendas em bares, com 32% do mercado e o autosserviço, com 26% do volume de vendas. Os produtos são distribuídos para mais de 1 milhão de pontos de venda.

 

Fonte: Valor Econômico Online *Matéria na íntegra disponível no site