06/11/2014 - McDonald's precisa fazer brasileiro voltar às lojas

CLIPPING - NOTÍCIAS DOS PRINCIPAIS VEÍCULOS DO PAÍS

 

Desaceleração do consumo impacta resultados no Brasil

 

Há menos brasileiros indo comer nos restaurantes do McDonald's no país, operados pela Arcos Dorados. Promoções devem se tornar mais agressivas, na tentativa de a empresa recuperar seus ganhos. Em setembro, promoções conseguiram evitar queda maior no tráfego de clientes, mas afetaram margem. A desaceleração no consumo impactou os resultados no Brasil, onde houve retração de 2,4% nas vendas de lojas com mais de um ano de operação e recuo de 4,5% no lucro operacional.

A Arcos Dorados informou que as vendas no Brasil somaram US$ 460,8 milhões de julho a setembro, expansão de 3,7% sobre mesmo período de 2013, quando houve estagnação nas vendas. Ou seja, a base de comparação é fraca. O lucro operacional no país caiu 4,5%, para US$ 40 milhões. Na América Latina, área de atuação da empresa, a queda foi maior, de 44%.

"É hora de arregaçar as mangas para tentar trazer, no tapa, o consumidor para as lojas", disse o consultor Alcides de Mattos Terra Junior. Na América Latina, o lucro líquido atribuído a acionistas atingiu US$ 240 mil de julho a setembro, forte queda de 98,8% ante igual período de 2013. O resultado foi afetado pela redução do tráfego (incluindo Brasil), problemas na Venezuela e depreciação da moeda argentina. A receita líquida recuou 11,5%, para US$ 904 milhões.

Woods Staton, presidente da Arcos Dorados, informou no relatório de desempenho, que irá recomendar ao conselho de administração que a empresa suspenda o pagamento de dividendos em 2015.

Se reforçar a tática das promoções no Brasil neste ano, a Arcos Dorados tem algumas alternativas para defender rentabilidade. Pode ampliar volume de vendas a ponto de equilibrar margem, reduzir despesas, ou reajustar preços de produtos fora das promoções.

De julho a setembro, a margem de lucro antes de juros, impostos, amortização e depreciação (Ebitda) no Brasil caiu 0,6 ponto, para 12,1%, "como resultado dos recentes esforços para proteger a participação de mercado e estimular o tráfego por meio de atividades promocionais", informou a rede ontem.

"Não há muito cálculo para que uma promoção dê certo. As redes têm seus históricos, montam ofertas, colocam na rua e aguardam. O setor de alimentação é muito sensível a renda e emprego, e mesmo com esses indicadores indo bem, estamos gerando empregos com salários mais baixos. Isso afeta o mercado", disse Terra.

 

Fonte: Valor Econômico Online *Matéria na íntegra disponível no site