20/03/12 - Pedir comida pela Internet vira um novo nicho de mercado

A encomenda de comida pela Internet ganha cada vez mais adeptos no Brasil e o segmento atrai as empresas especializadas em fast-food. Ao perceber a demanda, e ver inclusive que o ticket médio do pedido feito pelo delivery na Internet chega a ser 20% superior ao feito pelo telefone, a iFood, empresa paulistana criada em maio do ano passado, já comemora resultados expressivos, pois trabalha com grandes redes alimentícias: Bob's, Pizza Hut, KFC, The Fifties, entre outras.

O serviço da plataforma consiste em, ao entrar no site, o cliente informar a sua localização e ver, em destaque, as ofertas dos comércios da sua região. A empresa mapeia os estabelecimentos já cadastrados no site por geoposicionamento e o usuário só precisa digitar o seu CEP para ter acesso a tudo o que está à sua disposição. Na outra ponta, no estabelecimento físico, um funcionário vai monitorar as transações on-line e, ao

identificar o pedido, a cozinha começará a preparar a encomenda. O diferencial é que, após o pedido ser confirmado em tempo real, todo o processo da entrega pode ser acompanhado via web, explica Eduardo Baer, diretor de marketing da iFood.

Segundo o executivo, o site é responsável apenas pela intermediação e o estabelecimento deve ter os seus próprios funcionários para realizar as entregas. Com a demanda em alta, e empresas grandes já utilizando a plataforma, a perspectiva da iFood é fechar o primeiro ano de funcionamento com mais de mil restaurantes com a plataforma em operação, entre São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Santos e também Jundiaí.

 

Para a iFood, ainda existe muito espaço para crescer neste setor no País. O objetivo da companhia é expandir para outros estados e chegar a mais de 5 mil restaurantes e redes de alimentação cadastrados até 2015. Ainda para este ano, a meta é chegar aos 60 mil pedidos mensais. A empresa fechou o primeiro bimestre de 2012 com faturamento de R$ 1,5 milhão e espera crescer 30% ao mês até o final do ano. Atualmente são atendidos 20 mil pedidos/mês pelo site, que já é responsável por 30% de todas as entregas da Pizza Hut, 25% do Bob's e 20% do KFC.

Para os restaurantes os diferenciais são a análise das campanhas de marketing, o monitoramento da opinião dos usuários, lojas que mais vendem e o tempo médio de entrega. A iFood fica com 10% do valor transacionado pela plataforma. "Apostamos em oferecer comodidade e variedade para os nossos clientes", diz Baer. Ainda este ano o serviço passará a ser oferecido em Fortaleza, Recife, Campinas e Guarulhos. "É um mercado que já se consolidou no exterior e aqui ainda está começando", como completa o executivo.

Um diferencial para o cliente na hora de fazer o pedido buscando pela iFood são os aplicativos customizados para plataforma mobile (iPhone e Android), que agilizam ainda mais a encomenda, garante a empresa. "Nossos concorrentes ainda estão engatinhando neste assunto", declara Baer.

Para que a logística funcione, existe um forte esquema de parceria com os estabelecimentos afiliados. Algumas marcas chegam a dar exclusividade para a empresa, que procura divulgar seus serviços em redes sociais e diversos tipos de ação promocional. Quem faz um pedido pelo telefone, por exemplo, ao receber a comida ganha um voucher com desconto para, da próxima vez, pedir pela Internet.

Concorrência - O serviço não é exclusivo, e a iFood tem dois grandes concorrentes neste mercado: RestauranteWeb e PedidosJá, empresa esta que começou a funcionar há três anos no Uruguai, com 40 restaurantes. Hoje está em seis países da América Latina. No Brasil eles atuam em São Paulo e já atendem aos pedidos on-line de redes como Burguer King e General Prime Burger. Eles chegam a receber 1600 pedidos por dia e afirmam ter crescido dez vezes no ano passado. "A nossa última novidade é que lançamos o serviço na Colômbia, então estamos com muito trabalho e grande expectativa", afirma Álvaro Garcia, diretor de marketing da PedidosJá.

Alma do negócio - Se a propaganda é a alma do negócio, o boca-a-boca também é uma aposta do serviço, que observa clientes deslumbrados com a variedade de gêneros alimentícios que podem ter sem saírem das próprias casas. As pessoas já cadastradas no iFood também recebem, semanalmente, um e-mail com indicações das melhores ofertas do site. "Os restaurantes passaram a enxergar na Internet uma nova opção para abordar e fidelizar o cliente", argumenta o diretor de marketing da iFood. Já pelo lado do consumidor, é possível comparar preços e conhecer todo o cardápio antes de escolher o que consumir. "O deliveryon-line já é mais do que uma tendência, é uma realidade. Em alguns casos o crescimento vem sendo exponencial, inclusive superando o meio tradicional, por telefone", observa Eduardo Baer.

 

Fonte: DCI