24/07/2014 - Transformando o bar, aumentando a margem de lucro

CLIPPING - NOTÍCIAS DOS PRINCIPAIS VEÍCULOS DO PAÍS

 

Sem saber que rumo dar ao negócio, Alexandre Nunes optou por se tornar um fraqueado do Nosso Bar e colhe bons frutos

Uma oportunidade de negócio fez com que Alexandre Nunes encarasse o desafio de se tornar um microempresário. Tudo começou há sete anos quando um bar, no bairro de Jaguaré, em São Paulo (SP), foi colocado à venda. O imóvel tinha um aspecto ruim, sem nenhuma reforma considerável realizada durante os seus 30 anos de existência, apenas pintura.

“Antes de eu comprá-lo, o bar já vinha perdendo a força e ficando abandonado. Quando adquiri o Boteco Bolonha, em 2007, ele vendia basicamente bebidas, pois as condições do imóvel não estavam adequadas para o preparo de petiscos. Meu intuito era reformar o local e fazer dele um bar de verdade, mas não tinha ideia do que poderia ser o carro-chefe”, lembra Nunes.

Com esse pensamento, ele deu prosseguimento ao negócio e buscou capital para realizar as mudanças que tanto eram necessárias. Porém, o microempresário ainda não sabia qual seria o modelo de negócio que deveria seguir. Até que chegou a solução. “Conversando com um vendedor da Ambev, expliquei as minhas dificuldades e objetivos, e ele falou a respeito da franquia Nosso Bar.”

Após a visita de um consultor, que apresentou todos os detalhes para se tornar um franqueado, Nunes decidiu que aquele seria o caminho que seguiria dali para frente com o seu Boteco Bolonha. Em maio de 2013, as reformas foram iniciadas e, já em julho, o novo bar foi inaugurado. “O processo foi muito rápido e recebi orientação durante todo o tempo. A equipe da franquia me passou o que deveria ser feito, sendo os custos da reforma hidráulica e elétrica por nossa conta. A Ambev montou e estrutura, pintou o local, trouxe as mesas, televisão e deram sugestões do que deveria ser realizado na parte estrutural”, explica.

 

Resultados

A reação dos clientes, de acordo com o microempresário, não poderia ter sido melhor. Os elogios surgiram de todas as partes e pessoas que antes não se encorajavam a entrar no boteco, passaram a frequentar o estabelecimento. “Muitos chegavam e perguntavam se havia mudado o dono, devido à grande mudança que foi realizada. Aproveitavam para experimentar um petisco, beber alguma coisa, perguntar das promoções que a Ambev sempre oferece. Alguns faziam até fotos para mostrar aos amigos”, diz.

As mudanças também refletiram, imediatamente, no caixa do bar. O melhor resultado foi registrado em dezembro de 2013, quando houve um aumento de 508% no faturamento na comparação com o mesmo período de 2012. Na média, de acordo com Nunes, o aumento do faturamento desde o início da franquia foi de 58%.

“Estou muito satisfeito e vi que era isso mesmo que eu queria. Alcancei o meu objetivo. Só tenho alegrias com essa franquia. Tudo tem caminhando de maneira bem satisfatória”, avalia.

 

A franquia Nosso Bar

Desde 2003, a Ambev oferece seis modelos de franquias, no intuito de atender o público em diversas ocasiões de consumo, que se dividem em dois segmentos principais: premium e populares. São eles: Quiosque Chopp Brahma, Loja Chopp Brahma Express, Carrinho Chopp Brahma, Seu Boteco e Bar Brahma. O modelo da Ambev, de acordo com a Associação Brasileira de Franchising (ABF), está atualmente entre as que mais crescem no Brasil.

Ao seu franqueado, a companhia de bebidas oferece suporte com consultoria de campo, treinamento da equipe, acompanhamento inicial da operação, planejamento das campanhas e promoções, suporte de gestão e central de atendimento técnico.

Há, ainda, uma parceria com o Sebrae, que tem como objetivo trocar melhores práticas e capacitar, em cursos on-line e presenciais sua rede de franqueados.

O modelo Nosso Bar é destinado aos micro e pequenos empreendedores. É uma opção de franquia popular em regiões urbanas, periferias e centros de grandes cidades. A ideia é incentivar os negócios familiares na classe média e desenvolver o bar popular, respeitando as características de cada bairro e franqueado.

 

Fonte: Revista MNMV nº9 - Matéria na íntegra disponível na revista