23/06/2014 - Expectativas oscilam entre os proprietários de bares

CLIPPING - NOTÍCIAS DOS PRINCIPAIS VEÍCULOS DO PAÍS

Assim como os resultados dos jogos da primeira fase da Copa do Mundo da Fifa 2014 têm surpreendido os torcedores, as expectativas dos donos de bares e restaurantes com relação ao movimento durante o Mundial também apresentam algumas surpresas. Instalado no bairro dos Jardins, em São Paulo, o restaurante Aconchego Carioca tem sido um ponto de encontro de torcidas, mesmo quando a Seleção Brasileira não entra em campo. Edu Passareli, sócio do restaurante, comemora o gol de placa no movimento durante a Copa.

"A chef Katia Barbosa e eu, criamos o kit 'Aconchego na Torcida'. Por R$ 74, o cliente tem direito a um chope Eisenbahn Weizen, duas cervejas Eisenbahn Pilsen e uma porção de bolinhos mistos (com duas unidades do famoso bolinho de feijoada; duas unidades do bolinho de virado à paulista, exclusivo em São Paulo; e duas unidades do bolinho de jiló, uma novidade no cardápio). O kit inclui também uma camiseta criada exclusivamente para a festa futebolística pela grife Reserva. "Além disso, investimos no treinamento da equipe com aulas de inglês", conta Passareli.

A tática parece ter dado resultado. No jogo de estreia do Brasil, no dia 12 de junho, o Aconchego ficou lotado. No dia seguinte, a casa teve 80% de ocupação no período da tarde, quando o movimento é naturalmente mais baixo. Passareli diz que se surpreendeu com o público nos dias de jogos de outras seleções.

"Esperamos um incremento de 20% em relação ao nosso faturamento mensal no período da Copa. Apesar de haver uma previsão pouco otimista antes do início da competição, estamos satisfeitos com o aumento do público da casa. Como estamos em uma área hoteleira, verificamos que este mês já temos um movimento bem maior do que o do ano passado, quando sofremos os impactos dos dias de manifestação na Avenida Paulista", afirma Passareli.

A estimativa da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) é otimista com relação ao faturamento do setor durante o Mundial de futebol. O presidente da Abrasel, Paulo Solmucci Júnior, aposta que haverá um incremento de 70% nos dias de jogos do Brasil, mesmo fora das cidades-sede, e de 30%, em média, durante o campeonato com relação ao mesmo período no ano passado. Segundo o presidente da Associação, o setor registra, em média, por dia, cerca de R$ 280 milhões, e a expectativa para o período da Copa do Mundo é de R$ 450 milhões, por dia, em média, em todo o país.

"Havia uma apreensão pouco antes do início da Copa, mas esse sentimento começou a diminuir já nos jogos amistosos da seleção brasileira antes do início da Copa. Temos um contingente de 500 mil pagantes individuais para assistir aos jogos nos estádios, isso é muito positivo para o setor, porque todas essas pessoas estão em um clima de comemoração. Já é surpreendente o movimento nos bares e restaurantes de Manaus e Cuiabá, por exemplo", conta Solmucci Júnior.

De acordo com os levantamentos da Abrasel, entre todas as 12 cidades-sede, o maior movimento é esperado no Rio de Janeiro. Porém, na Cidade Maravilhosa esse incremento não é vivenciado de forma equilibrada por todo o setor. Pedro de Lamare, presidente do SindRio (Sindicato de Hotéis, Bares e Restaurantes), é um pouco mais conservador. Ele acha que o aumento do faturamento ficará em torno de 20%.

"Há um público muito jovem, entre 18 e 30 anos, que tem um jeito especial de se divertir. Vejo um movimento muito maior na Zona Sul do que no Centro, por exemplo, onde os horários especiais para os dias de jogos do Brasil e os feriados vão influenciar no faturamento", diz Lamare.

A rede de lanchonetes McDonald's, uma das patrocinadoras da Copa do Mundo da Fifa 2014, faz segredo com relação aos números sobre clientes e vendas em todo o território nacional. A estratégia divulgada foi colocar em campo sabores típicos para atrair os turistas, sobretudo, os estrangeiros que estarão no Brasil nos dias do Mundial.

O McFlurry Talento Castanha-do-Pará é a sobremesa feita para o evento. Ela apresenta dois sabores tipicamente brasileiros, o chocolate e a castanha-do-Pará, reunidos sob a forma de chocolate Talento, da Garoto, uma das marcas de chocolate mais famosas no Brasil.

Fonte: Valor Econômico *Para ler a matéria na íntegra, visite o site do Valor