10/03/14 - Com temporada morna, empresários freiam previsão de investimentos

CLIPPING - NOTÍCIAS DOS PRINCIPAIS VEÍCULOS DO PAÍS

Pesquisa da Abrasel-SC revela que 59% dos donos de bares e restaurantes no Estado não pretende investir

Quase a metade dos donos do setor de bares e restaurantes do litoral de Santa Catarina ficou decepcionada com os resultados da temporada de 2014. Diante desse cenário, 59% dos empresários não planejam investir no restante do ano.

É o que aponta a pesquisa divulgada ontem pela Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) em Santa Catarina, realizada com cem empresários no Estado. Para Fábio Queiroz, presidente da entidade, os dados são o reflexo de um resultado morno da temporada.

— A queda no número de turistas argentinos e o caos da infraestrutura de água e luz, percebido em diversas regiões no fim do ano, contribuíram muito, sem falar na antecipação das aulas em função da Copa do Mundo — afirma.

Para 38% dos entrevistados, houve menos visitantes estrangeiros no Estado no verão de 2014 do que no ano passado. No Litoral Sul, essa tendência foi percebida por 55% dos entrevistados, resultado parecido com o Litoral Norte (53%).

Mão de obra e falta de água e luz prejudicam

Conforme o levantamento, os maiores entraves para o sucesso da temporada foram a baixa qualificação dos profissionais contratados e a pouca infraestrutura. A falta de luz e água fez com que 23% dos estabelecimentos fechassem as portas em algum momento neste verão. Em Florianópolis, o percentual ficou em 40%, assim como a região de Balneário Camboriú, em 40%.

A mão de obra também causou problemas. Para 48% dos entrevistados, a qualidade dos colaboradores deixou a desejar. Na Capital, esse percentual chegou a 60%.

Anésio Schneider, presidente do Sindicato dos Trabalhadores do setor de hotelaria, bares e restaurantes da Grande Florianópolis, diz que há profissionais qualificados, mas o setor não atrai.

— Os salários baixos e a jornada extensa dificultam a contratação — observa.

Em contrapartida, Valdir Walendowsky, secretário de Estado de Turismo, Cultura e Esporte, avalia que de um modo geral a temporada em Santa Catarina foi positiva.

— O Estado é reconhecido pela gastronomia, segurança e bom atendimento. Se alguns empresários não irão investir, é uma decisão deles e pode ser porque está bom e não há necessidade — diz.

Cenário nacional influencia

Diante dos números mornos da temporada de verão, poucos empresário planejam investimentos em 2014. No Estado, 59% dos consultados não planejam qualquer melhoria. Em Florianópolis, o número é ainda maior (70%), enquanto que na região de Balneário Camboriú, 60% não pensam em expansão. Para o presidente da Abrasel em Santa Catarina, Fábio Queiroz, a falta de investimentos não é reflexo apenas dos resultados negativos da temporada, mas do cenário nacional.

— De um modo geral, não existe uma expectativa muito forte dos empresários para 2014 em vários setores.

Conforme Margot Rosenbrock Libório, presidente do Convention & Visitors Bureau de Balneário Camboriú, a falta de investimentos preocupa.

— É arriscado, é necessário investir para se manter no mercado e crescer.

Ela avalia que os problemas de infraestrutura no auge da temporada causaram impactos nos restaurantes e alguns podem ter um processo de recuperação mais lento que os demais.

A expectativa para o restante do ano é de recuperação. Para 48% dos empresários do Estado, o restante do ano tende a ser melhor do que a temporada de verão. Em Florianópolis, o percentual de otimistas é de 31%.

No Sul, 75% dos empresários acreditam que o restante do ano será melhor. Queiroz atribui o otimismo acima da média na região à expectativa com as obras da BR-101:

— Certamente, essa expectativa é em função da previsão de conclusão da ponte de Laguna, que deverá incrementar o movimento de visitantes, além de se tornar uma atração turística — avalia o presidente.

Fonte: Diário Catarinense