29/11/2013 - Terceirização é alvo de debate acalorado em simpósio

CLIPPING - NOTICIAS DOS PRINCIPAIS VEÍCULOS DO PAIS

Se uma nova dinâmica legal se faz necessária no mercado de trabalho, a terceirização é uma das questões centrais. O assunto foi objeto de um acalorado debate logo na abertura do Simbracs 2013, no qual todos concordaram com a necessidade de uma regulamentação urgente da questão, sem no entanto chegar a um consenso sobre o modelo a adotar. "Prestação de serviços é o modelo econômico do século 21, assim com a indústria foi o modelo dos séculos 18, 19 e 20", disse Cássio Azevedo, sócio-fundador da AeC Contact Center. Azevedo defendeu a reforma da legislação trabalhista e a regulamentação do trabalho terceirizado para reduzir o volume de disputas judiciais e favorecer o desenvolvimento da economia.

Os encargos são outro problema para o emprego formal, segundo o presidente da Central Brasileira do Setor de Serviços (Cebrasse), Paulo Lofreta. Os encargos somam 68,17% da folha de pagamento e incentivam a informalidade e contratação de serviços fora do país, nos casos em que isso é possível, como o teleatendimento.

Ele afirmou que "falta segurança jurídica" e que a "o anacronismo" da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) engessa as relações capital-trabalho e impede os avanços dos empreendimentos no país. Para Lofreta, o fato de a Justiça do Trabalho ser "paternalista" cria uma "indústria das reclamações trabalhistas" que todos os anos provoca a abertura de 2,5 milhões de processos nas varas do trabalho de todo o país. Foram 40 milhões de reclamações trabalhistas registradas em 15 anos.

A explosão do setor de serviços ocorre em todo o mundo quando a renda per capita salta dos US$ 10 mil para US$ 20 mil por ano, disse Paulo Solmucci Júnior, presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel). "Isso está ocorrendo no Brasil agora", argumentou, para defender uma nova regulamentação dos serviços terceirizados e, principalmente, da flexibilização dos contratos de trabalho. "O jovem precisa de flexibilidade de horário para poder estudar, e isso hoje não existe na legislação brasileira", afirmou. "O trabalho intermitente é uma realidade mundial."

Segundo Solmucci Júnior, o governo começa a avançar nesse sentido ao criar condições para que os jovens atuem em contratos de curta duração na Copa do Mundo do ano que vem, mas isso não é suficiente para regulamentar o trabalho intermitente.

Fonte: Valor Econômico - Leia a matéria na íntegra no site do Valor