A partir de janeiro, SP terá 140 linhas de ônibus circulando de madrugada

Serão 430 veículos, em dois sistemas: um percorrerá o traçado do metrô e outro funcionará de forma circular, em bairros com maior demanda, como a Vila Madalena; Prefeitura ainda promete reforçar a iluminação em mais de 100 pontos de conexão.

Cento e quarenta linhas, divididas em dois sistemas, estrutural e local, vão funcionar todos os dias, entre 0h30 e 4h, em São Paulo, a partir de janeiro. Os "corujões" vão passar por corredores principais da cidade, como as Avenidas Paulista e Faria Lima, em intervalos de 15 minutos. A ideia é atrair novos usuários para a rede. Mas quem critica o projeto diz que ele beneficiará somente os empresários do setor.

Atualmente, 98 linhas atendem a demanda durante a madrugada. Elas, porém, funcionam de maneira difusa e pouco integrada. A proposta, agora, é reorganizar e ampliar essa frota. No total, 430 coletivos, incluindo micro-ônibus, vão circular durante a madrugada - o número representa 2,8% da frota da cidade, que é de cerca de 15 mil veículos. O custo de operação no período noturno subirá de R$ 2 milhões para R$ 5 milhões por mês, integralmente bancado pela Prefeitura.

O sistema será dividido em dois. O estrutural acompanhará, sempre que possível, o traçado do metrô e do trem, e lidará com demandas maiores entre regiões distantes.

Já o local percorrerá os bairros a partir de pontos de integração com as linhas longas, como os terminais. Serão ônibus circulares, que vão rodar em bairros onde há demanda por transporte à noite, como a Vila Madalena, na zona oeste. Esses ônibus devem ter saídas mais espaçadas, a cada meia hora. As próprias empresas que operam durante o dia farão o serviço noturno.

O estudo que permitirá um transporte público 24 horas na cidade está em fase final de elaboração. Os principais pontos foram adiantados nesta quinta-feira, 5, ao Estado pela São Paulo Transporte (SPTrans), que gerencia a rede.

Remuneração. A SPTrans estuda pagar as empresas de ônibus dos "corujões" por quilômetro rodado - e não por passageiro, como é feito no sistema atualmente. A medida, criticada por especialistas, garantiria o lucro das empresas mesmo se poucas pessoas usarem o serviço. "Se não (for assim) vai ser difícil fazer funcionar bem", afirma a diretora de Planejamento da SPTrans, Ana Odila de Paiva Souza.

O urbanista e consultor de engenharia de tráfego Flamínio Fichmann critica a mudança. "Isso me parece uma solicitação clara dos empresários, que está sendo atendida indevidamente pelo poder público. Tiraram o passageiro como fator de pagamento porque você não tem garantia de que haverá muitos usuários (no horário)."

Além disso, para ele, a elevação dos custos de operação do sistema de corujões só seria justificada após análise e projeção de demanda. A Prefeitura ainda não tem ideia de quanta gente deve ser atraída para a rede madrugadora. Atualmente, 15 mil passageiros são transportados de madrugada pelos ônibus, número que sobe para 25 mil nos fins de semana.

Mestre em Transportes pela USP, Horácio Augusto Figueira concorda que é preciso fazer uma pesquisa para saber exatamente a demanda. Ele é a favor dos corujões. "A sociedade pode ter ganhos de redução de acidentes com carro de madrugada." Para a SPTrans, a nova rede também beneficiará quem estuda e trabalha à noite.

Mais luz. Além dos "corujões", a iluminação em mais de cem pontos de conexão espalhados pela cidade será reforçada, em uma parceria com o Departamento de Iluminação Pública (Ilume). Eles também terão informações sobre as linhas noturnas que passam por ali, explica Ana Odila.

"Nós queremos atrair uma demanda, que é a de lazer. Com a lei seca, está mais difícil ir de carro (para bares e baladas), então bastará usar o transporte coletivo", afirma a diretora da SPTrans.

Fonte: Estadão