31/07/13 - Criador da Fogo de Chão volta ao churrasco

O empresário gaúcho Arri Coser prepara a expansão de sua nova linha de churrascarias, que deve inaugurar 15 restaurantes em todo o país até 2018

O empresário gaúcho Arri Coser, de 50 anos, ficou famoso pela criação da rede internacional de churrascarias Fogo de Chão, com 19 unidades abertas apenas nos Estados Unidos. Em 2011, a rede foi vendida por 800 milhões de reais para o fundo GP Investimentos.

Mesmo estando satisfeito com a transação milionária, o empresário não aposentou os espetos e já está de volta ao ramo que o alçou à fama. Desde o ano passado, ele comanda, ao lado da irmã, Mairi Coser Magnani, e do cunhado, Lemir Magnani, uma nova rede, a Nabrasa Steak.

As mudanças nos ambientes, na logomarca e na forma de servir nas unidades que já existem começaram em janeiro deste ano e devem ficar prontas até o final de junho. A nova empresa já nasce com estratégia bem definida: tornar o ato de comer churrasco mais apetitoso para os jovens.


Em fase de expansão, a empresa inaugurou, em março, seu terceiro restaurante, no shopping Praia de Belas, que fica no bairro Menino Deus, uma área da capital gaúcha que passa por valorização. As contratações que dão suporte já começaram. A primeira foi a da diretora de RH da empresa, Regina Ramos, que trabalhou 12 anos na Fogo de Chão. Desde então, houve um aumento de 30% no pessoal. Hoje, 150 pessoas já fazem parte da equipe da Nabrasa Steak.

De acordo com Arri, a estrutura administrativa do novo negócio ainda está em formação. ´´O jurídico não está montado, a contabilidade é terceirizada, depois vai ser interna. Mas até o final do ano devem entrar de 20 a 30 pessoas na parte administrativa. Aí estaremos prontos para o crescimento´´, diz o empresário, que explica que as três primeiras lojas serão o piloto para a expansão da rede. ´´Tudo o que precisa ser feito aqui a gente está fazendo dentro dessas três lojas como modelo´´, afirma Arri.

Cauteloso, o empresário não gosta de anunciar os números do negócio, mas calcula que dois restaurantes deverão ser abertos por ano. Até 2018, serão cerca de 15 unidades, cada uma com uma média de 60 funcionários e espaço para 200 a 250 clientes. Por enquanto, a marca deve ficar no Brasil, apesar de o nome, que ganhou o complemento Steak, indicar uma expansão internacional.

 

 

Fonte: Exame