10/06/13 - Com a consolidação e o crescimento do mercado, aumenta o número de multifranquias

O processo de consolidação no mercado brasileiro de franquias vem ganhando força nos últimos tempos com o surgimento de multifranqueadoras, isto é, empresas que detêm várias marcas, como o Grupo Multi, dono da Wizard e de outras escolas de idiomas; o Trigo, que atua na área de alimentação com bandeiras como Spoleto, Koni Store e Domino’s; e o SMZTO Participações, que controla redes como o Instituto Embelleze e o restaurante L’Entrecôte de Paris, entre outras. Essas holdings de franquias têm uma coisa em comum: um enorme apetite para engordar cada vez mais seu portfólio de empresas.

“É uma prova de que o mercado brasileiro entrou no estágio de maturidade”, afirma Marcelo Cherto, presidente da consultoria Cherto. “Acredito que veremos muito mais operações desse tipo acontecendo por aqui nos próximos anos.” Segundo ele, essa é uma tendência mundial e cita como exemplo o caso da americana Yum! Brands, que detém as marcas KFC, Taco Bell e Pizza Hut e é a maior empresa de restaurantes do mundo, com 39 mil unidades em mais de 125 países. No Brasil, a movimentação tem atraído os fundos de private equity. É o caso do Multi Educação, que concentra o maior número franquias educacionais do País.

Em 2010, o Multi recebeu um aporte de R$ 200 milhões da Kinea, empresa de investimentos do banco Itaú que se tornou sócia-minoritária. Em novembro daquele ano, o grupo Multi, dono das marcas Wizard e Skill, no ensino de idiomas, e Microlins, SOS e People, da área de ensino profissionalizante, adquiriu também a rede Yázigi. Em 2012, o grupo faturou R$ 3 bilhões. Segundo Carlos Wizard Martins, fundador do Multi Educação, contar com várias redes permite ao grupo ter produtos bem posicionados para atender a diferentes faixas de público. “O mercado de ensino de idiomas e profissionalizante é muito vasto, já que apenas cerca de 2% de toda a população brasileira fala inglês fluentemente”, diz Martins.

“Além disso, as aquisições de redes realizadas nos últimos anos permitiram que o grupo ganhasse força para enfrentar a concorrência.” O grande desafio das holdings de franquias é manter cada uma das marcas sempre atualizadas, com produtos e tecnologia de ponta. Para garantir a qualidade tanto na gestão do negócio, quanto nos itens comercializados nas diferentes redes (Spoleto, Domino’s e Koni Store), o grupo Trigo dispõe de duas fábricas próprias e uma distribuidora, obtendo assim a soberania

na cadeia de suprimentos de suas redes de alimentação.

“Nosso objetivo é manter a integridade de cada marca e, ao mesmo tempo, aproveitar a sinergia proporcionada”, diz Eduardo Ourivio, vice-presidente do Trigo, que conta com 408 unidades abertas no País. A expectativa é abrir mais 104 lojas até o final do ano. Ourivio acredita que o grupo Trigo tenha fôlego para ter mais duas ou três novas redes em seu portfólio. Expansão também é a palavra de ordem na SMZTO Participações, uma holding de franquias multissetoriais, com 12 diferentes marcas.

“Pretendemos chegar a 15 marcas até o final do ano”, diz José Carlos Semenzato, fundador e presidente da SMZTO. Segundo ele, o modelo multifranqueador permite ganho de escala e um maior

poder de compra, seja na aquisição de insumos ou na negociação com veículos de mídia. Todos os meses, Semenzato, que só entra em negócios em que possa ter no mínimo 50% de participação, promove uma reunião de conselho com os sócios de cada uma das marcas. “Assim posso consolidar os res ultados no balanço”, diz Semenzato. As metas do empresário são ambiciosas. Em 2012, a SMZTO faturou R$ 175 milhões com 662 lojas e a expectativa é terminar 2013 com um faturamento de R$ 270 milhões e 1.179 franquias.

“Em cinco anos, pretendo chegar a R$ 1 bilhão, com algo entre 4 mil e 5 mil unidades de

20 marcas”, diz ele.

Fonte: IstoÉ Dinheiro